Monumentos de Seahenge na contribuição dos rituais em tempos antigos

Enquanto o icônico Stonehenge rouba a atenção com sua relação astronômica e misteriosa com o Sol e a Lua, há um outro monumento pré-histórico na costa leste da Inglaterra que merece um olhar mais atento: Seahenge. Revelado pelas areias movediças da praia de Holme-next-the-Sea em 1998, este círculo de madeira da Idade do Bronze guarda segredos que estão apenas começando a ser desvendados.

Um novo estudo realizado pelo Dr. David Nance, da Universidade de Aberdeen, lançou luz sobre o possível propósito ritualístico de Seahenge, sugerindo que ele foi construído para prolongar o verão em períodos de frio extremo há mais de 4.000 anos.

Seahenge, também conhecido como Holme I, é composto por um toco de árvore virado para cima cercado por 55 postes de carvalho bem ajustados. Construído originalmente em um pântano salgado, longe do mar, estima-se que o monumento tenha sido erguido com madeira datada da primavera de 2049 a.C. Protegida por dunas e lodaçais, a área criou uma camada de turfa que preservou as madeiras da decomposição, permitindo que este fascinante círculo de madeira permanecesse quase intacto por milênios.

O pesquisador da Universidade de Aberdeen, Dr. David Nance, publicou suas novas descobertas sobre Seahenge no GeoJournal. Ao examinar Holme I e o adjacente Holme II, Nance considerou não apenas a arqueologia dos locais, mas também dados climáticos, evidências astronômicas, biológicas, folclore regional e toponímia.

Nance propõe que Seahenge e o segundo anel de madeira foram construídos durante um período de clima extremamente frio. Ele sugere que esses monumentos tinham como objetivo realizar rituais para prolongar o verão e trazer de volta um clima mais quente. O alinhamento de Seahenge com o nascer do sol no solstício de verão implica um propósito ritualístico, semelhante ao descrito no folclore local.

A datação das madeiras de Seahenge mostrou que elas foram derrubadas na primavera, e é mais provável que estas madeiras estivessem alinhadas com o nascer do sol no solstício de verão. Este período, há 4.000 anos, foi marcado por temperaturas em declínio e invernos rigorosos, colocando as sociedades costeiras sob pressão. Nance argumenta que os monumentos foram construídos com a intenção de acabar com essa ameaça existencial.

Teorias anteriores sugeriam que Seahenge poderia ter sido um local de sepultamento ou um marcador de morte. No entanto, a nova teoria de Nance é que o círculo de madeira e seu anel adjacente foram usados em rituais para prolongar o verão. Segundo o folclore, o cuco, símbolo de fertilidade, parava de cantar no solstício de verão, levando consigo o verão. O monumento, com sua forma e alinhamento, poderia ter sido uma tentativa de manter o canto do cuco e, assim, prolongar o verão.

Holme II, o segundo anel de madeira adjacente, centra-se em dois troncos de carvalho planos e datados do mesmo ano que Seahenge. Nance faz referência a lendas de ‘reis sagrados’ na Idade do Ferro na Irlanda e no norte da Grã-Bretanha, que foram sacrificados se o infortúnio se abatesse sobre a comunidade. Esses reis eram sacrificados ritualmente a cada oito anos no Samhain (agora Halloween), alinhando-se com o ciclo de oito anos de Vênus.

Nance conclui que as luminárias em Holme II, que se pensava conterem um caixão, estão orientadas para o nascer do sol no Samhain em 2049 a.C., quando Vênus ainda era visível. Este alinhamento sugere que Holme II também teve uma função ritualística, com uma intenção comum de acabar com o frio extremo.

O alinhamento de Seahenge com o nascer do sol no solstício de verão e a forma de sua estrutura imitando as moradas de inverno do cuco no folclore indicam um profundo conhecimento e integração dos ciclos naturais nas práticas rituais. O toco de carvalho invertido no centro de Seahenge pode simbolizar uma árvore oca, uma morada do cuco, usada para prolongar o verão.

A construção e o uso de Seahenge e Holme II refletem uma necessidade desesperada de controlar o ambiente e garantir a sobrevivência da comunidade em tempos de mudanças climáticas extremas. A ideia de que esses monumentos foram criados para realizar rituais que visavam prolongar o verão é uma fascinante janela para as crenças e práticas das sociedades da Idade do Bronze.

Seahenge, com seu círculo de madeira e alinhamento astronômico, oferece uma nova perspectiva sobre a relação entre as antigas sociedades e os ciclos naturais. As descobertas do Dr. David Nance trazem à tona a possibilidade de que este monumento tenha servido a um propósito ritualístico crucial para prolongar o verão e assegurar a sobrevivência em períodos de frio extremo.

Embora Seahenge possa não ter a fama de Stonehenge, seu estudo detalhado revela a complexidade e a sofisticação das práticas rituais de nossos ancestrais. À medida que continuamos a desvendar os mistérios de monumentos como Seahenge, ganhamos uma compreensão mais profunda da resiliência e da criatividade das sociedades antigas em face das adversidades climáticas.

Veja alguns textos que podem te interessar:

As ruas antigas que se iluminam por conta própria

O mundo antigo descoberto na selva amazônica

Explorador descobre megalíticos do tipo Stonehenge em Florianópolis

...