Os 23 melhores livros da literatura universal de todos os tempos

Nem toda lista a gente está de acordo, mas nesta aqui, dos 23 melhores livros da literatura universal de todos os tempos, concordamos que é bem completa e ampla, podendo agradar aos mais exigentes perfis de leitores.

A literatura é uma das mais poderosas expressões da criatividade humana, capaz de transcender fronteiras geográficas e temporais. Ao longo dos séculos, inúmeras obras literárias foram criadas, mas apenas algumas alcançaram o status de clássicos universais.

Os livros aqui listados foram aclamados pelos maiores críticos e intelectuais das academias mundo afora. São 23 livros mais premiados na literatura mundial, explorando os tesouros da escrita que continuam a inspirar e impactar gerações.

Nem todo mundo precisa concordar, nem toda lista é unanimidade. Afinal, nada é definitivo e, portanto, nem toda lista é efetivamente completa. Mas esta aqui é bem interessante! Dê uma conferida!

Os melhores livros da literatura universal mais aclamados de todos os tempos

1. “Dom Quixote” – Miguel de Cervantes

Como sempre, sempre o primeiro: “Dom Quixote”. Publicado pela primeira vez em 1605, é uma obra-prima da literatura espanhola e uma das primeiras novelas modernas. A história do cavaleiro errante que busca justiça em um mundo que ele vê como cheio de injustiças é uma obra de profunda reflexão sobre a realidade e a loucura.

2. “A Odisséia” – Homero

“A Odisséia” é um épico grego atribuído a Homero, datado do século VIII a.C. A jornada do herói Odisseu em sua tentativa de retornar para casa após a Guerra de Troia é uma narrativa repleta de aventuras, desafios e encontros com deuses e monstros.

3. “Orgulho e Preconceito” – Jane Austen

Publicado em 1813, “Orgulho e Preconceito” é uma obra icônica da literatura inglesa. O romance de Jane Austen retrata a vida e os costumes da sociedade rural britânica do século XIX, enquanto aborda temas atemporais como amor, casamento e classe social.

4. “Cem Anos de Solidão” – Gabriel García Márquez

Gabriel García Márquez deixou um legado inestimável com “Cem Anos de Solidão”, publicado em 1967. Esta obra-prima do realismo mágico narra a saga da família Buendía ao longo de várias gerações em Macondo, uma cidade fictícia na Colômbia.

5. “Hamlet” – William Shakespeare

“Hamlet” é uma das tragédias mais famosas de William Shakespeare, escrita por volta de 1600. A peça acompanha o príncipe Hamlet em sua busca por vingança pela morte de seu pai, enquanto explora questões existenciais profundas sobre vida, morte e loucura.

6. “Crime e Castigo” – Fiódor Dostoiévski

Publicado em 1866, “Crime e Castigo” é uma das obras mais importantes da literatura russa. O romance de Dostoiévski mergulha nas complexidades da psique humana, seguindo o estudante Raskólnikov enquanto ele comete um assassinato e lida com as consequências morais e psicológicas.

7. “A Divina Comédia” – Dante Alighieri

“A Divina Comédia” é uma obra-prima da literatura italiana escrita por Dante Alighieri no século XIV. Dividida em três partes – Inferno, Purgatório e Paraíso – a obra apresenta uma jornada épica através dos reinos do além, oferecendo uma visão única da teologia e da moralidade medievais.

8. “Anna Karenina” – Liev Tolstói

“Anna Karenina”, publicado em 1877, é um dos maiores romances já escritos. Tolstói tece uma complexa tapeçaria de relacionamentos, explorando temas como amor, traição, família e sociedade na Rússia do século XIX, com destaque para a trágica história de Anna Karenina.

9. “O Grande Gatsby” – F. Scott Fitzgerald

Considerado um dos maiores romances americanos do século XX, “O Grande Gatsby” de F. Scott Fitzgerald, publicado em 1925, retrata a decadência da sociedade americana durante a era do jazz. A história de Jay Gatsby e seu amor impossível por Daisy Buchanan é uma poderosa reflexão sobre o sonho americano e a busca da felicidade.

10. “A Metamorfose” – Franz Kafka

“A Metamorfose”, publicada em 1915, é uma das obras mais emblemáticas de Franz Kafka. O conto surrealista acompanha a transformação de Gregor Samsa em um inseto gigante, explorando temas como alienação, isolamento e a natureza da humanidade.

11. “Dom Casmurro” – Machado de Assis

Machado de Assis presenteou o mundo com “Dom Casmurro” em 1899, uma das maiores obras da literatura brasileira. O romance narra a história de Bentinho e Capitu, explorando questões de ciúme, traição e paranoia, enquanto o narrador questiona a confiabilidade de suas próprias memórias.

12. “Moby Dick” – Herman Melville

“Moby Dick”, publicado em 1851, é uma obra-prima da literatura americana e uma das mais importantes novelas marítimas já escritas. O romance épico de Herman Melville acompanha o capitão Ahab em sua obsessiva busca pela baleia branca, explorando temas de obsessão, destino e redenção.

13. “Os Miseráveis” – Victor Hugo

Publicado em 1862, “Os Miseráveis” é uma das obras mais conhecidas de Victor Hugo. Este épico histórico narra a jornada de Jean Valjean em busca de redenção, enquanto explora questões de justiça, moralidade e redenção em meio à Revolução Francesa.

14. “Ulisses” – James Joyce

“Ulisses”, publicado em 1922, é uma obra monumental da literatura modernista e uma das mais influentes do século XX. James Joyce narra um dia na vida de Leopold Bloom em Dublin, utilizando uma variedade de estilos narrativos e experimentações linguísticas para criar uma obra rica em significado e complexidade.

15. “O Morro dos Ventos Uivantes” – Emily Brontë

“O Morro dos Ventos Uivantes”, publicado em 1847, é um romance gótico clássico da literatura inglesa. A história de amor trágica entre Catherine Earnshaw e Heathcliff é ambientada nas sombrias charnecas de Yorkshire, explorando temas de paixão, vingança e redenção.

16. “A Ilíada” – Homero

“A Ilíada” é outro épico grego atribuído a Homero, datado do século VIII a.C. Esta obra-prima da literatura clássica narra os eventos finais da Guerra de Troia, centrando-se nos heróis gregos Aquiles e Heitor, enquanto explora temas de honra, glória e destino.

17. “O Pequeno Príncipe” – Antoine de Saint-Exupéry

“O Pequeno Príncipe”, publicado em 1943, é um dos livros mais traduzidos e vendidos do mundo. Esta fábula intemporal narra as aventuras de um jovem príncipe que viaja por diferentes planetas, explorando questões profundas sobre amor, amizade e a natureza humana.

18. “As Vinhas da Ira” – John Steinbeck

“As Vinhas da Ira”, publicado em 1939, é um dos romances mais importantes de John Steinbeck. Ambientado durante a Grande Depressão, o livro segue a jornada da família Joad em busca de uma vida melhor na Califórnia, enquanto aborda questões de injustiça social e desigualdade.

19. “Romeu e Julieta” – William Shakespeare

“Romeu e Julieta”, escrita por volta de 1597, é uma das tragédias mais conhecidas de William Shakespeare. A história do amor proibido entre os jovens de Verona é uma poderosa reflexão sobre a paixão, o destino e as consequências do ódio e da intolerância.

20. “1984” – George Orwell

“1984”, publicado em 1949, é um dos romances distópicos mais influentes já escritos. George Orwell cria uma visão sombria de um futuro totalitário, explorando temas como controle governamental, vigilância e liberdade individual, que continuam a ressoar na sociedade contemporânea.

21. “As Aventuras de Huckleberry Finn” – Mark Twain

“As Aventuras de Huckleberry Finn”, publicado em 1884, é considerado um dos maiores romances americanos já escritos. A história do jovem Huck Finn e seu amigo escravo Jim em uma jornada pelo rio Mississippi é uma poderosa crítica à sociedade e às instituições do sul dos Estados Unidos.

22. “O Retrato de Dorian Gray” – Oscar Wilde

Publicado em 1890, “O Retrato de Dorian Gray” é uma obra-prima do gótico e uma poderosa reflexão sobre a moralidade e a decadência humana. Oscar Wilde narra a história de Dorian Gray, um jovem que vende sua alma pela eterna juventude, enquanto seu retrato envelhece com seus pecados.

23. “A Redoma de Vidro” – Sylvia Plath

“A Redoma de Vidro”, publicado em 1963, é o único romance de Sylvia Plath e uma obra seminal da literatura confessional. O livro autobiográfico narra a história de Esther Greenwood, uma jovem talentosa que luta contra a pressão social e as expectativas de gênero, enquanto mergulha em uma espiral de depressão e loucura.

Conclusão

A literatura universal é um tesouro inestimável de sabedoria, imaginação e beleza, capaz de enriquecer nossas vidas e ampliar nossos horizontes. Ao explorar os 23 livros mais aclamados na história da literatura mundial, mergulhamos em narrativas que atravessam fronteiras culturais e temporais, oferecendo insights profundos sobre a condição humana e o mundo que nos cerca. Que essas obras continuem a inspirar e cativar leitores por gerações, mantendo viva a chama da criatividade e da imaginação.

...