Garrafas centenárias descobertas na restauração da mansão de George Washington

Foto: Ancient Origins

No coração da icônica mansão de George Washington, em Mount Vernon, um tesouro enterrado há séculos ressurge para contar uma história cativante. Como parte de um ambicioso Projeto de Revitalização de Mansões, arqueólogos desenterraram duas garrafas de vidro europeias seladas, datadas do século XVIII. Esta descoberta não apenas adiciona uma camada fascinante à rica tapeçaria histórica de Mount Vernon, mas também oferece uma janela única para a vida colonial americana e as práticas de conservação de alimentos da época.

Assuntos principais:

George Washington

Essas garrafas, encontradas intactas e verticalmente posicionadas sob o piso de tijolos da adega, proporcionam uma visão intrigante do passado. Seus formatos característicos, remontando às décadas de 1740 e 1750, sugerem uma origem europeia e uma história de preservação meticulosa. Transportadas para um laboratório para análise científica, as garrafas revelaram um líquido âmbar com um aroma distinto de flores de cerejeira, evocando a primavera da região. Uma análise mais aprofundada revelou que o conteúdo incluía cerejas em conserva, completas com caules e caroços.

Jason Boroughs, o principal arqueólogo de Mount Vernon, descreveu a descoberta como um vislumbre único da vida colonial. “Existem cerejas inteiras e reconhecíveis”, disse Boroughs, acrescentando que o aroma ao abrir as garrafas era inconfundível: “Na verdade, cheirava a flores de cerejeira quando chegamos ao fundo.” Essa conexão com a natureza local destaca não apenas a prática de conservação de alimentos da época, mas também a relação entre a propriedade e sua paisagem circundante.

George Washington
Duas garrafas europeias bem preservadas encontradas no porão desta residência histórica. ( Associação de Senhoras de Mount Vernon )

Uma das teorias propostas pelos pesquisadores é que o líquido predominante nas garrafas pode ter consistido principalmente em águas subterrâneas que se infiltraram ao longo do tempo, à medida que os selos de cortiça se deterioravam. As cerejas, colhidas localmente em Mount Vernon por escravos durante a década de 1770, foram preservadas como parte das práticas de conservação alimentar da época. Embora não destinadas à elaboração da famosa “cereja saltada”, uma bebida popular na época, as cerejas encontradas indicam um uso alternativo, como ingredientes culinários para pratos ou sobremesas.

Conclusão

Esta descoberta não apenas ilumina as práticas agrícolas e culinárias do século XVIII, mas também lança luz sobre a vida quotidiana em Mount Vernon durante o período colonial. Enquanto George Washington é frequentemente lembrado por suas façanhas políticas e militares, essa descoberta oferece uma visão mais íntima de sua vida como proprietário de uma plantação. A participação dos escravos na colheita e preservação das cerejas destaca a complexidade das relações sociais e econômicas na América colonial.

Mount Vernon, um marco histórico nacional querido, continua a ser uma testemunha viva da história americana. Com o Projeto de Revitalização de Mansões em andamento, esta descoberta emocionante marca o início de uma jornada transformadora para preservar e fortalecer a herança de George Washington. À medida que nos aproximamos do 250º aniversário da América em 2026, Mount Vernon brilha como um farol do passado, presente e futuro da nação.

...