Conselhos unem forças para combater a violência contra mulheres

Na luta constante contra a violência doméstica e familiar, o Conselho da Comunidade de Barracão, órgão da Execução Penal do Poder Judiciário, e o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Barracão unem esforços para lançar o “Projeto Liberta”.

O objetivo é promover a prevenção da violência e adotar ações em favor das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar na Comarca.

Uma das iniciativas centrais do “Projeto Liberta” é a “Ação Laços de Afeto”, que visa trabalhar de forma preventiva a violência com os adolescentes da rede pública de ensino do município de Barracão.

Sob a liderança de uma pedagoga com mestrado em psicologia, a ação tem como objetivo principal desenvolver a inteligência emocional dos jovens.

mulheres

A pedagoga, munida de conhecimento e experiência, irá até as escolas para implementar o projeto. O foco será no desenvolvimento da inteligência emocional dos adolescentes, visando capacitá-los a gerenciar suas emoções de maneira saudável e construtiva. Através de atividades práticas e reflexivas, os jovens serão incentivados a desenvolver habilidades sociais essenciais para a convivência pacífica e o respeito mútuo.

A “Ação Laços de Afeto” não apenas busca prevenir a violência, mas também promover uma cultura de respeito e solidariedade na comunidade. Ao capacitar os adolescentes a lidarem com suas emoções e relacionamentos de forma saudável, o projeto contribui para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

O lançamento do “Projeto Liberta” e a implementação da “Ação Laços de Afeto” representam um passo importante na luta contra a violência doméstica e familiar em Barracão.

Ao investir na prevenção e na educação emocional dos adolescentes, os Conselhos da Comunidade e dos Direitos da Mulher demonstram seu compromisso com o bem-estar e a segurança das mulheres da região. É por meio de iniciativas como essa que podemos construir um futuro mais justo e igualitário para todos.

Leia mais

https://jornaldafronteira.com.br/instagram-libera-link-em-reels
https://jornaldafronteira.com.br/dionisio-cerqueira-promove-atividades-de-cuidado-para-profissionais-do-suas

Brasil registra 1.463 feminicídios em 2023, alta de 1,6% em relação a 2022

O Brasil registrou 1.463 casos de mulheres que foram vítimas de feminicídio no ano passado – ou seja, cerca de 1 caso a cada 6 horas. Esse é o maior número registrado desde que a lei contra feminicídio foi criada, em 2015.

O número também é 1,6% maior que o de 2022, segundo o relatório publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) nesta quinta-feira (7). A pesquisa apontou que 18 estados apresentaram uma taxa de feminicídio acima da média nacional, de 1,4 mortes para cada 100 mil mulheres.

O estado com a maior taxa no ano passado foi Mato Grosso, com 2,5 mulheres mortas por 100 mil.

Empatados em segundo lugar, os estados mais violentos para mulheres foram Acre, Rondônia e Tocantins, com taxa de 2,4 mortes por 100 mil. Na terceira posição aparece o Distrito Federal, cuja taxa foi de 2,3 por 100 mil mulheres no ano passado.

Já as menores taxas de feminicídio foram registradas nos estados do Ceará (0,9 por 100 mil), São Paulo (1,0 por 100 mil) e Amapá (1,1 por 100 mil).

Porém, a pesquisa destaca que no Ceará é preciso fazer uma ressalva. “Desde a tipificação da lei [em 2015], a Polícia Civil do Ceará tem reconhecido um número muito baixo de feminicídios quando comparado com o total de homicídios de mulheres ocorridos no estado, o que nos leva a crer que estamos diante de uma expressiva subnotificação”, apontou o Fórum.

Em 2022, por exemplo, de um total de 264 mulheres assassinadas no estado, apenas 28 casos receberam a tipificação de feminicídio – o número é 10,6% do total de assassinatos.

Desde que a lei contra feminicídio foi criada, quase 10,7 mil mulheres foram vítimas do crime no país. A pesquisa não possui bases anteriores porque não havia uma legislação sobre o assunto.

...