Arqueólogos descobrem pinturas pré-históricas na Bahia

Fotos: Foto: Divulgação/FPI-BA

Recentemente, arqueólogos fizeram uma descoberta impressionante no oeste da Bahia: pinturas pré-históricas em paredões de pedra na zona rural de Ibotirama. Entre as imagens encontradas, destaca-se a representação de um Xenorhinotherium bahiensis, uma espécie de lhama gigante que viveu no Brasil durante o período Pleistoceno, há cerca de 5 mil anos. A importância dessa descoberta vai além da mera curiosidade, pois oferece insights valiosos sobre a megafauna que coexistiu com os primeiros seres humanos na região. Este artigo explora os detalhes dessa descoberta e suas implicações para a ciência e a preservação histórica.

Detalhes da descoberta

A descoberta foi feita por uma equipe multidisciplinar composta por espeleólogos, técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e agentes do Corpo de Bombeiros. As pinturas foram encontradas em rochas que podem ter até 5 mil anos de história, localizadas em paredões de pedra na zona rural de Ibotirama, no oeste da Bahia. Entre as várias imagens, a que mais chamou a atenção dos pesquisadores foi a do Xenorhinotherium bahiensis, uma lhama gigante que fazia parte da megafauna do Pleistoceno.

Importância do Xenorhinotherium Bahiensis

O Xenorhinotherium bahiensis é uma espécie de lhama gigante que viveu no Brasil durante o período Pleistoceno. Esta espécie é um membro da megafauna, termo utilizado para descrever animais de grandes proporções corporais que coexistiram com os primeiros seres humanos. A representação dessa lhama nas pinturas pré-históricas é uma evidência fascinante da coexistência entre humanos e grandes mamíferos no passado.

Equipe e locais visitados

A expedição arqueológica foi coordenada pelo espeleólogo Admir Brunelli e contou com a participação de diversos especialistas. Além de Ibotirama, a equipe visitou outras cidades no oeste da Bahia, como Ipupiara, Brotas de Macaúbas, Oliveira dos Brejinhos e Muquém de São Francisco. Em Muquém de São Francisco, os pesquisadores encontraram locais de assentamentos indígenas e urnas funerárias, aumentando ainda mais a importância da expedição.

pinturas

Preservação e desafios das pinturas

Um dos desafios enfrentados pela equipe é a preservação das pinturas pré-históricas, especialmente devido à proximidade do sítio arqueológico com torres de energia eólica. Os técnicos alertaram para a necessidade de medidas urgentes para preservar as pinturas. A expedição também resultou em relatórios técnicos que serão entregues aos órgãos competentes para que sejam tomadas as devidas providências.

Insights sobre civilizações passadas

As pinturas pré-históricas e os artefatos encontrados fornecem uma janela valiosa para compreender as civilizações passadas que habitaram a região. Os materiais encontrados, incluindo as urnas funerárias, podem ajudar a desvendar mistérios sobre os costumes, rituais e modos de vida dos povos antigos.

Implicações para a arqueologia e a história

A descoberta tem implicações significativas para a arqueologia e a história. As representações de megafauna como o Xenorhinotherium bahiensis oferecem evidências concretas sobre a fauna que existia na região durante o Pleistoceno. Isso, por sua vez, contribui para a compreensão das interações entre humanos e grandes mamíferos e dos impactos ambientais e climáticos ao longo do tempo.

Audiência pública e divulgação dos resultados

Para discutir as descobertas e as medidas de preservação, será realizada uma audiência pública no Colégio de Tempo Integral Professora Odontina Laranjeira de Souza, em Ibotirama. Durante essa audiência, os pesquisadores apresentarão os dados coletados sobre a situação ambiental da região e discutirão os encaminhamentos necessários para a preservação dos sítios arqueológicos.

pinturas

Relatórios técnicos e ações futuras

Todos os trabalhos desenvolvidos durante a expedição resultarão em relatórios técnicos que serão entregues aos órgãos competentes. Esses relatórios servirão de base para futuras ações de preservação e para a elaboração de políticas públicas que garantam a proteção desses valiosos patrimônios históricos e culturais.

Conclusão

A descoberta de pinturas pré-históricas em paredões de pedra no oeste da Bahia, incluindo a imagem do Xenorhinotherium bahiensis, é uma conquista monumental para a arqueologia e a história. Preservar essas pinturas é fundamental para que futuras gerações possam aprender e compreender a riqueza do passado da região. As evidências encontradas não só expandem nosso conhecimento sobre a megafauna do Pleistoceno, mas também destacam a necessidade urgente de proteger e preservar esses sítios arqueológicos. A realização de audiências públicas e a produção de relatórios técnicos são passos cruciais para garantir que essas descobertas sejam valorizadas e protegidas adequadamente.

Fonte: G1

...