Sepulturas de 10.000 anos descobertas no Maranhão, Brasil

 imagem: W Lage Arqueologia

Uma incrível descoberta arqueológica vem à luz em São Luís, no estado do Maranhão, Brasil. Arqueólogos encontraram um grande cemitério indígena que abriga mais de 40 esqueletos e milhares de túmulos com 10.000 anos de idade. Este achado impressionante revela evidências de antigas populações que habitaram a região, incluindo uma comunidade ancestral até então desconhecida.

A Descoberta:

O cemitério foi desenterrado na Fazenda Rosane, em São Luís, antes das obras de um programa habitacional do governo. Os arqueólogos encontraram uma grande variedade de cerâmicas fragmentadas e ferramentas de pedra, além dos primeiros esqueletos a cerca de 60 centímetros abaixo da superfície. Essa descoberta se tornou o registro mais antigo de presença humana no nordeste do Maranhão.

Evidências de Diferentes Épocas:

A equipe de escavação encontrou um total de 43 esqueletos e aproximadamente 100 mil fragmentos de artefatos de pelo menos quatro camadas de sedimentos diferentes. Isso sugere que o local foi ocupado por pessoas em quatro períodos distintos, abrangendo até 8.500 anos. Os esqueletos encontrados são de baixa estatura, a maioria de homens adultos, e exibem marcas ósseas que indicam atividades físicas extenuantes.

Uma População Pré-Sambaquiana:

O esqueleto enterrado mais profundamente foi datado entre 7.000 e 10.000 anos atrás usando a técnica de datação por luminescência opticamente estimulada (OSL). Essa descoberta aponta para a existência de uma possível e misteriosa população pré-sambaquiana na região, anterior aos conhecidos caçadores-coletores costeiros.

22

Significado Histórico:

Essas descobertas representam as datas mais antigas já encontradas no estado do Maranhão, remontando a meados e início do período Holoceno (11.700 anos atrás até o presente). Elas são representativas da história mundial da época em que as Américas estavam sendo povoadas. Essa descoberta proporciona insights importantes sobre a evolução e migração das populações antigas na região.

Futuro das Pesquisas e Preservação:

Para validar as datas das diferentes camadas do solo, amostras serão enviadas a um laboratório nos Estados Unidos para datação por radiocarbono. O trabalho de campo na Fazenda Rosane deve ser concluído em seis meses. A construtora, em parceria com o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional do Brasil) e a Universidade Federal do Maranhão, planeja criar um centro de curadoria e armazenamento para preservar os achados arqueológicos, incluindo um laboratório de pesquisas e um museu.

33

A descoberta das sepulturas de 10.000 anos no Maranhão, Brasil, é uma janela fascinante para o passado pré-histórico da região. Esses vestígios arqueológicos revelam não apenas a presença ancestral, mas também a complexidade das diferentes populações que ocuparam o local ao longo dos milênios. O trabalho de preservação e pesquisa em andamento promete fornecer ainda mais insights sobre a história da América do Sul e seu povoamento ancestral.

...