Secretaria da Saúde promove capacitação sobre cuidado e prevenção à raiva humana

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), em parceria com a Universidade Estadual de Londrina (UEL), realizou nesta terça-feira (30) um treinamento teórico e prático sobre a prevenção da raiva humana. Também foi promovida uma capacitação referente à técnica de infiltração de soro antirrábico.

O primeiro evento contou com a participação de 200 profissionais de saúde, entre enfermeiros, médicos e veterinários. Já a capacitação prática foi direcionada a 75 profissionais dos 21 municípios da 17ª Regional de Saúde de Londrina.

A capacitação ocorreu para a implementação da descentralização do atendimento de pós-exposição que passará a ser realizado em todos os municípios. O objetivo é otimizar e qualificar a assistência aos pacientes vítimas de acidentes com animais potencialmente transmissores da raiva.

“Essa parceria com a universidade é primordial para aprimorar e capacitar os profissionais que realizam o atendimento à população. A descentralização deste serviço faz parte do trabalho de regionalização da saúde, que busca levar atendimento de qualidade para todo Paraná”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

A 17ª RS Londrina é responsável por cerca de 10% dos acidentes antirrábicos humanos do Estado – destes, 9% têm indicação de aplicação de soro antirrábico.

Atualmente, o Paraná é considerado área de raiva controlada, conforme definição da Organização Pan-americana de Saúde (OPAS). O último caso de raiva humana autóctone no Estado foi registrado em 1987, no município de Rio Branco do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba.

Estado entrega sete novas ambulâncias para reforçar o Samu do Norte Pioneiro
Com novos leitos, Hospital Regional de Guarapuava ofertará cirurgias especializadas

SORO – O soro é indicado em acidentes com morcegos, acidentes graves com animais silvestres e demais animais potencialmente transmissores. Nem todos os acidentes causados por cães e gatos têm indicação de soro.

A raiva é uma doença infecciosa causada por um vírus que afeta o sistema nervoso. A transmissão ocorre através da saliva de um mamífero infectado, sobretudo com a mordedura de animais.

A maioria dos acidentes antirrábicos acontece pela mordedura de cães, gatos ou contato com morcegos. Nesses casos, a pessoa deve ser encaminhada imediatamente a uma unidade de saúde para avaliação e, se necessário, iniciar o tratamento profilático.

“Devido à gravidade da doença, é muito importante reforçar junto aos profissionais de saúde sobre o correto atendimento, seguindo os protocolos, para não ocorrerem novos casos humanos”, explicou a coordenadora do Programa Estadual de Controle da Raiva da Sesa, Tatiane Cristina Brites Dombroski.

...