Ruínas de majestosas catedrais com mais de 1000 anos resistem ao tempo

Catedral de Elgin, Escócia

A Catedral de Elgin, também conhecida como a Lanterna do Norte, é uma ruína histórica localizada em Elgin, no nordeste da Escócia. Fundada em 1224, a catedral foi dedicada à Santíssima Trindade e substituiu a Catedral de Spynie. Inicialmente, contava com um pequeno capítulo de oito clérigos, mas ao longo do tempo, o número de cónegos aumentou para 23 em 1242.

A história da Catedral de Elgin é marcada por vários incidentes de destruição. Em 1270, um incêndio danificou a catedral, mas um programa de reconstrução ampliou o edifício. Durante as Guerras de Independência escocesas, a catedral não foi afetada, porém, em 1390, um incêndio devastador ocorreu após um ataque de Alexander Stewart, irmão de Robert III e também conhecido como o “Lobo de Badenoch”. Esse incêndio foi uma forma de vingança contra o Bispo de Muray, que o havia excomungado por infidelidade marcial.

elgin cathedral 5168253 1920

Outro incêndio ocorreu em 1402, quando seguidores do Lord das Ilhas incendiaram o recinto da catedral. Apesar dessas adversidades, a catedral continuou a crescer em importância, e o número de clérigos e artesãos necessários para sua manutenção aumentou ao longo dos anos. No entanto, com a Reforma Escocesa em 1560, a catedral foi abandonada e seus serviços foram transferidos para a igreja paroquial de Elgin, St Giles. A partir desse período, a Catedral de Elgin entrou em decadência e começou a se deteriorar. No século XIX, o prédio estava em uma condição significativamente arruinada.

Apesar das ruínas, ainda é possível observar características arquitetônicas distintivas da catedral. As paredes que sobreviveram alcançam alturas diferentes, com alguns trechos alcançando seu máximo e outros apenas as fundações. A sala do capítulo octogonal, em grande parte intacta, data da grande ampliação após o incêndio de 1270. A parede do frontão acima da entrada da porta dupla que liga as torres ocidentais foi reconstruída após o incêndio de 1390 e abriga uma grande abertura que agora contém apenas traços e fragmentos de uma grande janela em rosa. Além disso, os túmulos embutidos nos transeptos e no corredor sul do coro contêm efígies de bispos e cavaleiros, e grandes lajes planas

Abadia de Holyrood em Edimburgo

A Abadia de Holyrood, construída por David I da Escócia em 1128, desempenhou um papel significativo na história escocesa. Localizada em Edimburgo, a abadia foi inicialmente uma residência real para James IV no século XV, o que animou o local com danças, máscaras, coroações e banquetes. No entanto, o destino da abadia mudou drasticamente durante a Reforma Escocesa no início do século XVI.

Com a Reforma Escocesa, a estrutura da abadia sofreu grandes danos quando uma multidão destruiu o altar e saqueou o restante da igreja. A extremidade leste da abadia foi danificada além do reparo e teve que ser demolida. Esses eventos marcantes representaram uma transformação significativa na história da abadia.

111 4

Ao longo dos séculos, a Abadia de Holyrood testemunhou eventos importantes e abrigou personalidades notáveis. Ela foi residência de diversos reis escoceses, como Jaime V, que gastou muito em reparos e acréscimos ao local. A abadia também foi palco de casamentos reais, como os de Maria Stuart, além de coroações e sepultamentos de monarcas e nobres, como Jaime II, Jaime III, Henrique Stuart e Lord Darnley.

Atualmente, restam apenas ruínas da famosa igreja da abadia. As ruínas da nave, sem teto, apresentam características da arquitetura conhecida como “Early English”, com resquícios de trabalhos normandos anteriores. O teto da nave foi reconstruído com uma abóbada de pedra em 1758, mas acabou colapsando pouco depois, levando ao abandono da igreja.

Embora em ruínas, a Abadia de Holyrood ainda atrai visitantes e desperta curiosidade. O local preservava o fragmento da Verdadeira Cruz, conhecido como o “Black Rood of Scotland”, em um relicário de ouro. Esse fragmento foi trazido da abadia de Waltham por Santa Margarida, mãe de Jaime III, mas acabou desaparecendo durante a Reforma. Além disso, há vários monumentos no recinto da abadia, incluindo a sepultura de Sir John Sinclair de Ulster e memoriais aos nobres e clãs importantes da Escócia.

Abadia de Rievaulx em North Yorkshire, Inglaterra

A Abadia de Rievaulx, localizada em Rievaulx, perto de Helmsley, no Parque Nacional North York Moors, em North Yorkshire, Inglaterra, foi uma das maiores abadias da Inglaterra até sua demolição em 1538 durante a Dissolução dos Monastérios sob o governo de Henrique VIII. Fundada em 1132 por doze monges provenientes da Abadia de Clairvaux, a Abadia de Rievaulx foi o primeiro mosteiro cisterciense no norte da Inglaterra.

Sua localização remota era ideal para os ideais da ordem, que buscava uma vida de oração e auto-suficiência com pouco contato com o mundo exterior. O patrono da abadia, Walter Espec, também fundou outra comunidade cisterciense, a Abadia de Wardon, em Bedfordshire, em terras inúteis de uma de suas propriedades herdadas.

whitby abbey 2805489 1920

Sob a liderança do segundo abade, São Aelred de Rievaulx, a abadia foi ampliada e consolidada, tornando-se uma das grandes abadias cistercienses de Yorkshire, ao lado da Abadia de Fountains, que foi a segunda abadia cisterciense a ser construída em Yorkshire [2]. Durante o mandato de Aelred, a abadia cresceu para cerca de 140 monges e 500 irmãos leigos, além de estabelecer cinco abadias filhas na Inglaterra e na Escócia.

A Abadia de Rievaulx prosperou financeiramente, tornando-se uma das mais ricas e poderosas da Inglaterra. Os monges demonstraram habilidades técnicas ao desviar o curso do Rio Rye para criar terrenos planos para construção. Eles também desenvolveram uma próspera indústria de mineração de chumbo e minério de ferro, criando rebanhos de ovelhas e vendendo lã para compradores de toda a Europa.

No entanto, a abadia enfrentou desafios financeiros ao longo do tempo, incluindo dívidas devido a projetos de construção e perda de receitas causadas por uma epidemia de sarna ovina (sarna psorótica) no final do século XIII. Além disso, incursões escocesas no início do século XIV e a redução da população devido à Peste Negra dificultaram a contratação de novos irmãos leigos para o trabalho manual, levando a abadia a arrendar grande parte de suas terras.

No século XV, os monges abandonaram as práticas cistercienses estritas em favor de um estilo de vida mais confortável. Eles foram autorizados a consumir carne, receberam alojamentos privados adicionais e o abade tinha uma residência privada substancial no que antes era a enfermaria.

A abadia encontrou seu fim durante a Dissolução dos Monastérios, um período em que Henrique VIII confiscou mosteiros e abadias.

...