Paraná teve a maior proporção de vacinados contra a Covid-19 do Sul em 2023, aponta IBGE

O Paraná é o estado da região Sul do Brasil com a maior proporção de pessoas vacinadas contra a Covid-19, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (24). O levantamento mostra que 94,7% das pessoas receberam pelo menos uma dose do imunizante no Estado. No Rio Grande do Sul foram 94,1% das pessoas e em Santa Catarina, 89%.

A média nacional no período é de 93,9% da população, o que dá mais de 188 milhões de pessoas. Entre os homens, 93% (90,8 milhões) tinham tomado pelo menos uma dose, percentual que sobe para 94,8% entre as mulheres (97,5 milhões). No ranking geral dos estados, o Paraná alcançou o oitavo melhor índice do País. Ao todo, em números absolutos, 10,3 milhões de pessoas receberam o imunizante no Estado.

Os dados são referentes ao primeiro trimestre de 2023, quando a pesquisa foi realizada pelo instituto. O estudo só considerou pessoas com 5 anos ou mais de idade.

Ciclo completo de imunização contra a Covid-19

Ao considerar o ciclo completo de imunização contra a Covid-19, em que as pessoas receberam todas as doses recomendadas, a pesquisa aponta que 60,1% das pessoas com 5 anos ou mais do Paraná foram vacinadas, o que representa 6,2 milhões de pessoas. O índice também é superior à média nacional, que é de 58,6%, e o melhor da região Sul do Brasil, à frente de Rio Grande do Sul, com 56%, e Santa Catarina, com 53%.

O levantamento mostra, ainda, que 33,2% das pessoas do Paraná tiveram, em algum momento, Covid-19 confirmada, seja por teste ou diagnóstico médico. Entre estas pessoas, 28,6% afirmaram que algum dos sintomas permaneceram após 30 dias do início da doença e 70,7% disseram que não tiveram mais sintomas. O restante não soube afirmar.

COVID 19

Internamentos 

A pesquisa também abordou alguns aspectos das consequências da infecção por Covid-19 em todo o País, sem recortes estaduais. Entre todas as pessoas que consideram que tiveram a doença, 4,2% das pessoas afirmaram que precisaram ser internadas.

A proporção de internamentos foi maior entre os não-vacinados. A proporção de internados foi de 5,1% entre aquelas que não haviam tomado nenhuma dose da vacina, de 3,9% entre as pessoas infectadas que já tinham tomado uma dose e de 2,5% entre as pessoas que tiveram a doença após duas doses ou mais.

Os dados completos podem ser consultados AQUI ou na divulgação oficial do IBGE.

Fotos: Geraldo Bubniak/AEN

Leia mais

Inscrições para Enem 2024 começam na segunda-feira, dia 27

São José do Cedro promove evento de encerramento do Maio Laranja

Em 2023, 88,2% das pessoas de 5 anos ou mais haviam tomado pelo menos 2 doses de vacina contra covid-19

Destaque

  • Até o primeiro trimestre de 2023, 88,2% da população de 5 anos ou mais haviam tomado pelo menos duas doses da vacina contra a covid-19, ou seja, tinham o esquema primário de vacinação completo. Essa taxa foi de 71,2% para pessoas de 5 a 17 anos e de 92,3% para pessoas de 18 anos ou mais.
  • Além disso, 14,8% das crianças e adolescentes de 5 a 17 anos não tinham tomado nenhuma dose da vacina até o momento da pesquisa, percentual que é de 3,4% para os adultos de 18 anos ou mais.
  • Os principais motivos alegados para não tomar todas as doses recomendadas foram “por esquecimento ou falta de tempo” (29,2%), seguido por “não acha necessário, tomou as doses que gostaria e/ou não confia na vacina” (25,5%), que, juntos, representaram 54,7% do grupo em questão.
  • Já em relação as pessoas que não tomaram nenhuma dose da vacina, entre crianças e adolescentes, medo de reação adversa (39,4%) foi o principal motivo e, entre os adultos, 36,0% “não confiam ou não acreditam na vacina”.
  • Considerando a população de 5 anos ou mais, 27,4% tiveram covid-19 confirmada por teste ou diagnóstico médico. Quando incluída a opção da autopercepção, o total de pessoas que tiveram ou consideram que tiveram covid sobe para 34,3%.
  • Para o total de pessoas que tiveram covid-19 ou consideram tê-la desenvolvido, a grande maioria teve a doença uma única vez (67,2%), enquanto 31,4%, duas vezes ou mais.
  • Entre quem teve ou considera que teve a doença, 89,7% tiveram sintomas na primeira vez, ou única, enquanto 10,0% foram assintomáticos. Adicionalmente, 4,2% das pessoas que tiveram ou consideram que tiveram covid-19, além de apresentar sintomas, precisaram ser internadas.
  • Entre as pessoas com sintomas que não haviam tomado nenhuma dose da vacina quando tiveram covid-19, considerando a primeira (ou única) infecção, 5,1% precisaram ser internadas; entre as que haviam tomado uma dose, 3,9% precisaram ser internadas; e entre as que haviam tomado duas doses ou mais, 2,5% precisaram ser internadas.
  • Entre as pessoas que tiveram ou consideram que tiveram covid. 23,0% relataram a permanência ou surgimento de sintomas após 30 dias, percentual maior entre adultos de 18 anos ou mais (24,7%) do que entre crianças e adolescentes de 5 a 17 anos (7,3%).
...