Os principais livros da literatura que fazem parte do Existencialismo

Com o avanço das tecnologias o mundo (as pessoas) está perdendo o poder de reflexão. E pior, deixando de lado boa parte da filosofia estabelecida até agora. Poucas pessoas nos dias atuais pegam um livro de algum autor Existencialista, como Sartre e Camus.

Mas toda produção destes autores estão aí, disponíveis nos formatos de livro físico e digital. Para quem gosta de ler, basta escolher a plataforma e adentrar neste mundo fascinante e transformador.

O Existencialismo é uma corrente filosófica que enfatiza a existência individual, a liberdade e a responsabilidade pessoal. Na literatura, diversos livros exploram os temas e conceitos do Existencialismo, oferecendo conhecimentos profundos sobre a condição humana.

Com o objetivo de contribuir na perpetuação dos livros, apresentaremos os principais livros da literatura que fazem parte do Existencialismo.

A Náusea, de Jean-Paul Sartre

a nausea

Publicado em 1938, A Náusea é considerado um dos pilares do existencialismo na literatura. A obra narra a história de Antoine Roquentin, um historiador que se depara com uma crise existencial profunda, levando-o a questionar a existência e a essência das coisas ao seu redor. A sensação de náusea que permeia o protagonista simboliza a angústia e o absurdo da existência humana.

Este livro não apenas explora a liberdade e a alienação individual, mas também desafia o leitor a refletir sobre sua própria existência.

A narrativa de Sartre é marcada pela sua habilidade em descrever a complexidade dos sentimentos humanos e a busca incessante por significado em um mundo que parece indiferente aos anseios individuais. A Náusea é uma leitura essencial para aqueles que buscam entender os fundamentos do existencialismo e a visão de mundo de um dos seus maiores representantes.

O Estrangeiro, de Albert Camus

o estrangeiro

Publicado em 1942, O Estrangeiro é uma das obras mais emblemáticas de Albert Camus, marcando profundamente a literatura existencialista. A narrativa segue a história de Meursault, um homem indiferente ao mundo e às convenções sociais, cuja existência é subitamente abalada por um ato impulsivo. A indiferença de Meursault diante da vida e da morte desafia as normas sociais, levantando questões profundas sobre a liberdade, o absurdo da existência e a busca por significado.

A obra é um convite à reflexão sobre a condição humana, explorando a alienação e a liberdade individual em um mundo desprovido de sentido pré-determinado.

A recepção crítica de O Estrangeiro foi amplamente positiva, consolidando Camus como uma das vozes mais importantes do existencialismo. Sua habilidade em retratar a complexidade da condição humana, através da perspectiva de um protagonista apático, ressoa até hoje entre leitores e críticos. A obra não apenas questiona a essência da existência, mas também oferece uma crítica à sociedade e às suas expectativas, tornando-se um marco na literatura mundial.

O Ser e o Nada, de Jean-Paul Sartre

Em O Ser e o Nada, Jean-Paul Sartre explora a ideia de que a existência precede a essência, colocando o homem no centro do entendimento existencial. A liberdade e a responsabilidade individual são temas centrais, refletindo sobre como, na ausência de uma essência predeterminada, o ser humano define a si mesmo através de suas ações.

A obra é um marco no pensamento existencialista, desafiando conceitos tradicionais de identidade e propósito.

Sartre argumenta que o homem é condenado a ser livre, enfrentando a angústia da escolha constante sem a guia de uma moral absoluta. Este pensamento revolucionário teve uma profunda influência na literatura, na filosofia e na cultura em geral, estabelecendo um novo paradigma para a compreensão da condição humana.

A Queda, de Albert Camus

Publicado em 1956, A Queda marca um ponto de inflexão na obra de Albert Camus, explorando a complexidade da condição humana e a inevitabilidade do julgamento. Este romance é uma introspecção profunda sobre a culpa e a redenção, narrando a história de Jean-Baptiste Clamence, um advogado parisiense que se vê confrontado com suas próprias falhas morais.

  • A narrativa se desenrola em Amsterdã, onde Clamence relata sua vida a um interlocutor invisível, revelando gradualmente sua verdadeira natureza.
  • A obra é uma crítica à hipocrisia social e à dificuldade de viver de acordo com princípios éticos num mundo que parece indiferente ao sofrimento alheio.

A Queda é considerada uma das expressões mais refinadas do pensamento existencialista, refletindo sobre a liberdade, a responsabilidade e a busca por autenticidade num mundo desprovido de significado claro.

A Peste, de Albert Camus

A Peste é uma poderosa metáfora sobre a resistência humana diante de adversidades inimagináveis. Ambientado em uma cidade assolada por uma peste mortal, Camus explora como a doença traz à tona o melhor e o pior da humanidade. Este livro é um testemunho da resiliência e da solidariedade humana em face do absurdo da vida.

No Caminho de Swann, de Marcel Proust

Marcel Proust, em No Caminho de Swann, parte de uma perspectiva existencialista para explorar a memória e o tempo. A obra é uma viagem profunda ao interior da mente humana, revelando como nossas memórias e experiências moldam nossa identidade e percepção do mundo.

O Processo, de Franz Kafka

O Processo, de Franz Kafka, é uma obra-prima do surrealismo literário que se alinha perfeitamente com os temas existencialistas. Josef K., o protagonista, encontra-se preso em um labirinto burocrático kafkiano, enfrentando um sistema judicial opressivo e absurdo. Esta obra é um poderoso comentário sobre a alienação e a impotência do indivíduo na sociedade moderna.

Notas do Subterrâneo, de Fiodor Dostoiévski

Nesta obra, Dostoiévski apresenta um narrador amargo e introspectivo que rejeita as noções de racionalidade e utopia social. Notas do Subterrâneo é um estudo profundo sobre o isolamento, o ressentimento e a liberdade do indivíduo contra as forças opressoras da sociedade.

O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir

Para fechar com brilho e destaque, citamos Simone de Beauvoir, que em O Segundo Sexo, realiza uma análise revolucionária da condição feminina, questionando os papéis de gênero e a opressão. Este livro é um marco na literatura existencialista, expandindo seu escopo para incluir a luta das mulheres por autonomia e liberdade.

A literatura existencialista nos desafia a confrontar as questões mais profundas da existência humana. Estas sete obras são faróis que iluminam os aspectos mais sombrios e também os mais esclarecedores da condição humana. Elas nos convidam a explorar não apenas o que significa ser, mas também o que significa viver em um mundo muitas vezes sem sentido. Através destas narrativas, somos levados a uma jornada de autoconhecimento e reflexão, essencial para todos que buscam compreender a complexidade da vida e da existência.

Os principais livros da literatura que fazem parte do Existencialismo abordam temas como a autonomia do indivíduo, a liberdade, a escolha, a existência e a busca por sentido. Os autores citados exploram essas questões de forma profunda e impactante. Suas obras são essenciais para compreender e refletir sobre a condição humana e as complexidades da existência.

...