Os enigmas de um monumento milenar inexplicados

Stonehenge, um dos monumentos mais emblemáticos da história, continua a intrigar cientistas e visitantes até os dias de hoje. Datado do período Neolítico, entre 3100 a.C. e 2075 a.C., esse círculo de pedras localizado em Amesbury, Inglaterra, guarda segredos que desafiam a compreensão humana. Embora muitos estudos e pesquisas tenham sido realizados, inúmeros mistérios permanecem sem explicação definitiva. Neste artigo, mergulharemos nas profundezas dos enigmas de Stonehenge, explorando suas origens, finalidades e curiosidades, em uma tentativa de desvendar os segredos que resistiram ao teste do tempo.

Stonehenge é considerado o maior e mais bem preservado vestígio do Neolítico, e sua construção levou cerca de dois mil anos. As grandes pedras foram trazidas de Marlborough Downs, a 32 quilômetros de distância, enquanto as menores podem ter vindo das Montanhas Preseli, em Gales, a aproximadamente 250 quilômetros de distância. No entanto, a maneira exata como essas enormes pedras foram transportadas continua sendo um mistério fascinante. Teriam os construtores aproveitado o deslizamento no inverno ou utilizado animais e homens para puxar as pedras? Essas questões permanecem em aberto e desafiam os arqueólogos a desvendarem os métodos empregados pelos antigos construtores.

Embora haja evidências de que Stonehenge era parte de um complexo maior de estruturas que foram gradualmente desaparecendo, a utilidade precisa desse monumento icônico ainda é incerta. Alguns pesquisadores especulam que Stonehenge foi originalmente concebido como um calendário solar, enquanto outros argumentam que seu propósito principal era servir como um cemitério cerimonial. Estudos arqueológicos recentes revelaram a presença de 56 covas contendo os corpos cremados de pelo menos 64 indivíduos do período Neolítico, sugerindo uma função funerária. Além disso, durante o solstício de verão, em 21 de junho, o sol nasce exatamente alinhado com a pedra principal de Stonehenge, o que indica uma possível associação com eventos astronômicos e a marcante compreensão que os antigos construtores possuíam da passagem do tempo.

Ao longo dos séculos, Stonehenge se tornou envolto em mitos e especulações. Embora seja frequentemente atribuída aos celtas ou ao lendário Mago Merlim, essas teorias não possuem base arqueológica sólida, pois os celtas só chegaram às ilhas britânicas no século V. O mesmo ocorre com a crença de que os druidas realizavam cultos no local, para a qual não há evidências concretas. Porém, no movimento neo-pagão contemporâneo, cerimônias são realizadas nas pedras como forma de conexão espiritual. Além disso, a ideia de que Stonehenge poderia ter servido como um campo de pouso para naves alienígenas e extraterrestres carece de qualquer comprovação científica.

Por fim, a magnitude de Stonehenge e sua importância histórica e cultural foram reconhecidas pela UNESCO, que concedeu o título de Patrimônio Mundial em 1986, juntamente com a região de Avebury e outras localidades vizinhas.

Embora muitos estudos tenham sido realizados ao longo dos anos, os mistérios de Stonehenge permanecem fascinantes e complexos. Essa maravilha da arqueologia continua a desafiar a compreensão humana, deixando-nos com perguntas sem resposta. Ao explorar as origens, finalidades e curiosidades desse monumento milenar, podemos apreciar a incrível engenhosidade dos povos do Neolítico e aprofundar nossa compreensão sobre os mistérios que Stonehenge guarda até hoje.

...