O maior mistério do deserto do Saara

Conhecido como a Estrutura Richat, o Olho do Saara é uma das formações geológicas mais interessantes e impressionantes do mundo. Localizada no deserto do Saara, estende-se por 40 km e possui uma aparência única, assemelhando-se a um alvo. Tão imenso que pode ser visto do espaço, o Olho do Saara é usado pelos astronautas como um marco visual. Sua primeira fotografia foi registrada por astronautas do Projeto Gemini na década de 1960, despertando a curiosidade de muitos.

Inicialmente, os geólogos acreditavam que o Olho do Saara era resultado do impacto de um meteorito. Supunha-se que a cratera central tivesse sido formada pelo impacto violento de um objeto espacial em alta velocidade. No entanto, estudos posteriores revelaram que o Olho foi, na verdade, formado de maneira natural, tornando-o ainda mais extraordinário em sua origem.

A formação do Olho do Saara remonta ao período em que a Pangeia, supercontinente pré-histórico, começou a se fragmentar. Algumas das rochas presentes no Olho têm quase 100 milhões de anos, o que indica que esta estrutura já existia antes mesmo da presença humana e do início da vida na Terra.

A história por trás da formação do Olho é fascinante, para dizer o mínimo. Remonta a uma época em que o Saara não era um deserto árido, mas um oásis com água fluindo e vegetação exuberante. A massa de terra que deu origem ao Olho surgiu quando atividades vulcânicas subterrâneas impulsionaram a terra para cima, resultando nos anéis que circundam a estrutura.

Ao longo do tempo, ventos e erosão hídrica desgastaram esses anéis, fazendo com que a terra se assentasse e resultando na formação do Olho. Devido às condições pré-desérticas do Saara, alguns especularam que o Olho poderia ser os vestígios da lendária cidade perdida de Atlântida. Embora seja apenas uma teoria da conspiração, essa crença demonstra a influência mítica e cultural atribuída ao Olho.

Independentemente de sua possível conexão com Atlântida, evidências arqueológicas mostram que seres humanos habitaram ou viveram próximos ao Olho em algum momento. Arqueólogos encontraram ferramentas rudimentares nas áreas externas do Olho, sugerindo que um grupo de pessoas fez dessa estrutura seu lar.

Hoje, o Olho do Saara permanece solitário no deserto, sem vida em seu interior ou nas proximidades. No entanto, as pessoas ainda podem visitá-lo livremente. Reconhecido como um dos 100 geossítios pela União Internacional de Ciências Geológicas, o Olho do Saara está sob proteção. No entanto, os geólogos expressam preocupação de que, devido às mudanças climáticas, o Olho possa acabar sendo totalmente encoberto pela areia no futuro.

A Estrutura Richat, o Olho do Saara, é um testemunho imponente da geologia fascinante e da história do nosso planeta. Sua formação única e misteriosa continua a intrigar cientistas e a atrair a atenção de viajantes curiosos em busca de maravilhas naturais. Enquanto a estrutura permanecer visível, podemos admirar sua grandiosidade e refletir sobre os mistérios que ela guarda em seu coração desértico.

...