O futebol de antigamente de uma infância inesquecível

A infância de muitas gerações foi marcada por tardes intermináveis jogando futebol na rua ou no campinho desnivelado. Entre gritos de “paroooou” e disputas acirradas, o futebol da molecada de antigamente se tornou mais do que um passatempo – foi uma escola de vida, uma fonte inesgotável de histórias e um campo de batalhas e risadas.

Neste texto a gente convida você a revisitar (ou recordar) esses momentos, lembrando das regras não escritas e das lições que levamos para a vida toda.

futebol 1

O ritual de escolha dos times

No futebol de antigamente, os dois melhores jogadores nunca podiam estar no mesmo time. Para resolver essa questão, havia o clássico “par-ou-ímpar”, seguido pela escolha alternada dos jogadores. Esse ritual não era apenas uma formalidade; era um momento de tensão e expectativa, onde cada garoto ansiava por ser escolhido.

A tristeza de ser o último na escolha

Ser escolhido por último era uma grande humilhação. O último a ser chamado muitas vezes carregava um peso emocional, sentindo-se menos valorizado pelos colegas. Essa experiência, no entanto, também forjava resiliência e determinação em muitos jovens, que buscavam provar seu valor a cada jogada.

Camisa vs. Sem Camisa

Para distinguir os times, um jogava com camisa e o outro sem. Essa simples divisão criava uma identidade coletiva para cada grupo, fortalecendo o senso de equipe e competição saudável. A simplicidade dessa regra refletia a essência do futebol de rua: a improvisação e a capacidade de transformar qualquer espaço em um campo de batalha.

A peculiaridade do goleiro

No futebol desse molecada do passado, o pior de cada time geralmente ficava no gol, a menos que alguém gostasse de agarrar. Se ninguém aceitava ser goleiro, adotava-se um rodízio: cada um agarrava até sofrer um gol. Essa dinâmica muitas vezes resultava em jogos caóticos e engraçados, onde a habilidade era menos importante do que a disposição para jogar.

Pênaltis e goleiros temporários

Quando ocorria um pênalti, o goleiro ruim saia e entrava um bom apenas para tentar pegar a cobrança. Essa troca estratégica era uma das poucas concessões táticas no futebol dessa época, mostrando como a improvisação podia coexistir com momentos de seriedade competitiva. Engraçado que normalmente esse goleiro de ocasião era, quase sempre, o atacante do time.

Os papéis dos piores jogadores

Os piores de cada lado costumavam ficar na zaga, enquanto os mais habilidosos avançavam para o ataque. Essa divisão de tarefas refletia não apenas as habilidades individuais, mas também a dinâmica social do grupo, onde cada um tinha seu papel a desempenhar.

O dono da bola

O dono da bola sempre jogava no time do melhor jogador, garantindo que a partida continuasse. Essa regra não escrita era uma forma de gratidão e respeito, assegurando que a fonte de diversão – a bola – estivesse sempre em campo.

O jogo sem juiz

No futebol de rua ou dos campinhos do interior, não havia juiz. As faltas eram marcadas no grito, e quem gritava mais alto geralmente levava a melhor. Essa ausência de arbitragem formal ensinava as crianças a negociar e resolver conflitos de maneira autônoma, desenvolvendo habilidades de liderança e diplomacia.

A lei do “É nossa!”

Se a bola saísse pela lateral, o grito “é nossa” determinava quem cobrava. Essa regra simples e prática evitava discussões prolongadas e mantinha o jogo em movimento. O mesmo valia para escanteios, onde a agilidade e a esperteza eram cruciais.

Lesões com Merthiolate

Lesões como arrancar a tampa do dedão do pé, ralar o joelho ou sangrar o nariz eram comuns. Nessas horas, o Merthiolate, que ardia igual ao inferno, era o salvador. Lembra disso? Aquela “espuminha” fervilhando no machucado! Essas pequenas cicatrizes se tornavam medalhas de honra, lembranças de um tempo em que a diversão e o espírito esportivo superavam qualquer dor.

Buscar a bola

Quem chutava a bola para longe tinha que ir buscar. Essa regra simples responsabilizava cada jogador por suas ações, ensinando-lhes a importância de assumir consequências e colaborar pelo bem comum.

Polêmicas e pancadaria

Lances polêmicos eram resolvidos no grito ou, em casos extremos, na pancada. Essas disputas, embora intensas, raramente deixavam ressentimentos duradouros, fortalecendo os laços de amizade e camaradagem.

O fim do jogo

A partida acabava quando todos estavam cansados, quando anoitecia ou quando a mãe do dono da bola mandava ele ir para casa. Alternativamente, uma vizinha poderia prender a bola que caía na sua casa. Essas circunstâncias inesperadas adicionavam um elemento de imprevisibilidade e diversão ao jogo.

Para terminar: “Quem faz, leva”

Mesmo que o placar estivesse 10 x 0, a partida muitas vezes terminava com a regra do “quem faz, ganha”. Esse final dramático dava a todos uma última chance de brilhar, transformando cada jogo em uma narrativa épica onde a esperança nunca morria.

A “pelada” de rua ou do campinho de terra não era apenas um jogo de futebol, era um rito de passagem, uma forma de vida. As regras improvisadas, as disputas acirradas e as amizades forjadas em cada partida deixaram marcas profundas em quem viveu essas experiências.

Em um mundo cada vez mais digital, essas memórias permanecem como lembranças vívidas de um tempo em que a simplicidade e a paixão pelo esporte uniam crianças de todas as idades. Reviver essas histórias é celebrar a essência do futebol e a beleza da infância.

...