Mais de 10 mil ruínas arqueológicas são mapeadas na selva Amazônica

A Amazônia, considerada a floresta mais diversa do mundo e o maior reservatório de carbono tropical, tem suas raízes históricas aprofundadas em sociedades indígenas que a habitam há mais de 12 mil anos. A extensão dessa ocupação e sua influência na composição florestal eram, até recentemente, incertas. Um estudo inovador publicado na revista Science lançou luz sobre essa questão, identificando 24 novos sítios arqueológicos e sugerindo a existência de pelo menos 10.000 ainda não descobertos.

amazonia%20sitios

Liderado por uma equipe de 230 pesquisadores de 156 instituições em 24 países e quatro continentes, o estudo combinou tecnologia de sensoriamento remoto, modelagem estatística bayesiana e análise de dados de parcela florestal. Os sítios arqueológicos, denominados “obras de terra”, englobam diversas estruturas, como geoglifos, assentamentos fortificados e monumentos megalíticos. Tecnologia LiDAR, permitindo a visão tridimensional e a remoção digital da vegetação, identificou 24 novos sítios arqueológicos.

O estudo, apoiado pela Amazon Tree Diversity Network, sugere que a Amazônia pode abrigar entre 10.000 e 23.000 dessas “obras de terra”. Isso desafia a visão de uma Amazônia intocada e revela espécies arbóreas associadas a assentamentos pré-colombianos, indicando práticas de cultivo intencionais. Além de suas implicações históricas, a pesquisa levanta debates contemporâneos sobre a demarcação de terras indígenas e destaca a importância da bioeconomia na preservação da Amazônia.

A Amazônia, com suas “obras de terra” recém-descobertas, emerge como um tesouro arqueológico e ecológico. As sociedades pré-colombianas moldaram a floresta sem destruí-la, oferecendo lições valiosas para a bioeconomia moderna. A preservação da Amazônia não é apenas uma questão ambiental, mas também uma oportunidade para o Brasil liderar uma nova era de desenvolvimento sustentável. Através da valorização das terras indígenas e da adoção de práticas de manejo florestal responsável, o país pode garantir um futuro promissor para a Amazônia e suas comunidades tradicionais.

A bioeconomia, que busca conciliar o desenvolvimento econômico com a conservação dos recursos naturais, surge como uma alternativa viável para a região. A Amazônia possui uma riqueza inigualável em termos de biodiversidade e recursos naturais, e a utilização sustentável desses recursos pode gerar benefícios econômicos significativos para as comunidades locais e para o país como um todo.

Para isso, é necessário investir em pesquisa e inovação, desenvolvendo tecnologias e práticas que permitam a exploração dos recursos de forma responsável e sustentável. Além disso, é fundamental fortalecer a governança ambiental, garantindo a participação das comunidades locais na tomada de decisões e assegurando a proteção dos direitos indígenas.

A preservação da Amazônia não é apenas uma responsabilidade do Brasil, mas sim de toda a comunidade internacional. A floresta amazônica desempenha um papel crucial na regulação do clima global, na conservação da biodiversidade e na manutenção dos serviços ecossistêmicos essenciais para a vida no planeta. Portanto, é fundamental que haja uma cooperação global para garantir a proteção e a sustentabilidade desse ecossistema único.

No entanto, é importante ressaltar que a preservação da Amazônia não deve ser vista como um obstáculo ao desenvolvimento econômico, mas sim como uma oportunidade para conciliar crescimento e conservação. A região possui um enorme potencial para o turismo sustentável, a produção de alimentos orgânicos, a exploração de produtos florestais não madeireiros, entre outras atividades econômicas que podem gerar emprego e renda para as comunidades locais.

Portanto, é fundamental que o Brasil e a comunidade internacional unam esforços para garantir a preservação da Amazônia e o desenvolvimento sustentável da região. Somente dessa forma poderemos garantir um futuro promissor para a floresta e para as gerações futuras. A Amazônia é um patrimônio da humanidade e cabe a todos nós protegê-la e valorizá-la.

Leia mais

...