Ilha vulcânica emergente desafia os mares do Pacífico

Foto: ESA

Uma espetacular visão do espaço revela que a ilha recém-formada, alimentada pelo fogo vulcânico, nas águas do Pacífico, próximo ao Japão, mantém seu ímpeto de emergir desde o final de outubro de 2023. Denominada Niijima, a ilha vulcânica foi capturada pela lente do satélite Copernicus Sentinel-2 da Agência Espacial Europeia (ESA) em 27 de novembro.

Atividade Vulcânica Persistente

De acordo com pesquisadores, a atividade vulcânica subaquática que deu origem à ilha, ao largo da costa sul de Iwo Jima, continua a se desdobrar. A Universidade de Tóquio esclareceu em um comunicado que a formação da ilha pode ser atrib

uída a uma erupção vulcânica que gerou magma fervente, moldando pedaços de rocha com vários metros de comprimento ao entrar em contato com as águas oceânicas.

Evolução da Nova Ilha

À medida que os detritos vulcânicos se acumulavam, rompendo a superfície do mar, a ilha emergia a 1,2 mil km de distância de Tóquio. O satélite Landsat-9 da NASA capturou o novo território pela primeira vez em 3 de novembro. Desde então, Niijima permaneceu ativa, sendo abalada por uma nova erupção vulcânica, conforme compartilhado pela Guarda Costeira do Japão em imagens divulgadas em suas redes sociais em 27 de novembro.

O vídeo impressionante mostra vapor branco e fumaça emanando da ilha, seguido por uma explosão monumental em seu membro inferior esquerdo. Após a explosão, fragmentos de rocha vulcânica enegrecida, acompanhados por rastros de fumaça, caem de volta para Niijima, enquanto a ilha é sacudida por rajadas menores.

Apesar dessas explosões, as imagens indicam que a ilha recém-formada permanece, pelo menos por enquanto, intacta. Em uma entrevista à Associated Press, Yuji Usui, especialista em divisão vulcânica da Agência Meteorológica do Japão, sugeriu que a sobrevivência de Niijima pode depender do tipo de rocha formada pelas explosões vulcânicas.

Desenvolvimento e Desafios

No auge das explosões, o mar arrastava as rochas mais frágeis ao redor da periferia da ilha, enquanto a atividade vulcânica diminuía. Isso resultou em um breve encolhimento da ilha, ao contrário do crescimento observado em 27 de novembro, quando a atividade vulcânica renovada impulsionou seu desenvolvimento. A nova lava endurecida pode se tornar permanente, enquanto rochas mais leves e fracamente ligadas podem ser dispersas de volta ao vasto Pacífico.

Niijima e o “Anel de Fogo”

Situada sobre uma cadeia de vulcões subaquáticos que delineiam o famoso “Anel de Fogo,” uma extensa formação que se estende desde o extremo sul da América do Sul, ao longo da costa da América do Norte, passando pelo Japão até a Nova Zelândia, Niijima está inserida em um processo geológico intrigante chamado subducção.

Este fenômeno envolve o afundamento de placas geológicas sob a placa norte-americana, derretendo rochas nas partes superiores do manto terrestre. O magma resultante retorna à superfície da Terra através de rachaduras na crosta, dando origem a vulcões que, por sua vez, criam e desenvolvem novos locais, como a persistente Niijima.

Em resumo, essa ilha vulcânica emergente continua a desafiar os mares do Pacífico, proporcionando uma visão fascinante da dinâmica geológica que molda nosso planeta. A evolução de Niijima permanece como um testemunho impressionante da incrível força da natureza.

...

+ There are no comments

Add yours