Governo inicia testes para levar conexão de internet via satélite a áreas rurais do Paraná

O Governo do Paraná, por meio da Secretaria da Inovação, Modernização e Transformação Digital (SEI), iniciou testes com equipamentos para conexão de internet via satélite para auxiliar no atendimento de áreas rurais com baixa conectividade. Inicialmente, os testes ocorrem em dois locais urbanos para avaliar a funcionalidade do equipamento. Trata-se de uma ação conjunta com a Telecomunicações Brasileiras S.A. – Telebras, vinculada ao Ministério das Comunicações, que fornece soluções de conexão.

O aparelho que compõe a solução de Terminais Transportáveis Telebras por Satélite – (T3SAT) foi instalado no quartel do Comando Geral da Polícia Militar do Paraná, em Curitiba, nesta quinta-feira (18). Na sexta-feira (19), as atividades ocorrerão na Academia Policial Militar do Guatupê, em São José dos Pinhais. O objetivo também é promover capacitação de policiais do setor de Desenvolvimento Tecnológico e Qualidade para manuseio e uso do equipamento, aproveitando a capilaridade da corporação para auxiliar na expansão.

Nas próximas semanas os testes se intensificarão através de uma operação com drones da PM na região rural de Balsa Nova, na Região Metropolitana de Curitiba, e com uma unidade fixa na Ilha de Medeiros, em Guaraqueçaba, no Litoral, em uma ação conjunta com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR). Estão programados mais testes em áreas rurais entre o fim de janeiro e o início de fevereiro, inclusive em regiões de serra ou de campo, para manuseio do equipamento e análise de resposta.

O T3SAT é utilizado para levar internet para as Terras Indígenas Yanomami nos estados do Amazonas e Roraima. O equipamento tem uma antena e possibilita uma conexão com taxa de transmissão de download de 20 Mbps e de upload de 2 Mbps. Em caso de falta de energia, o dispositivo tem bateria com duração de até oito horas. O modem também possui Wi-Fi embarcado para conexão de aparelhos celulares e computadores.

Os testes são realizados com drones conectados a essa rede para mensurar impacto da velocidade da internet e alcance da conectividade. O objetivo é entender as demandas específicas, que englobam desde o pequeno produtor rural até as empresas com tecnologias mais avançadas em seu maquinário, que necessitam de conectividade maior para a produção.

Com salto de 27%, alunos da rede estadual representam quase metade dos aprovados na UFPR
“Iniciamos nesta semana os testes com equipamentos para conexão de internet via satélite para suprir a necessidade de áreas onde a conexão por fibra óptica, banda larga e dados móveis é mais difícil. Com o início na área urbana e expansão para regiões rurais vamos entender melhor as diferenças e mapear as possibilidades de avanços”, explicou o secretário da Inovação, Marcelo Rangel.

“Essa avaliação de cobertura do sinal em áreas específicas foi escolhida a partir de um mapa de calor de conectividade. Além disso, a estratégia satelital busca gerar dados públicos para fortalecer estudos em outras regiões”, complementou o diretor de Ecossistemas de Inovação da SEI, Giles Balbinotti.

O major Eduil Nascimento Junior, da Diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Qualidade da PM, afirma que a internet nas áreas rurais vai ajudar também as forças de segurança, que executam os trabalhos de Patrulha Rural. “Nós temos um aplicativo da PM que registra boletins de ocorrência, mas nas áreas rurais ainda temos dificuldade de cobertura. É um projeto fantástico para levar internet mais longe”, complementou.

Após antecipar mudança, PCPR já emitiu 130 mil Carteiras de Identidade Nacional
Comerciantes de Matinhos celebram aumento nas vendas com a revitalização da orla
CONEXÃO NO CAMPO – O projeto-piloto integra o Plano de Conectividade Rural do Paraná, uma ação liderada pela SEI e desenvolvida em conjunto com 17 órgãos públicos, entre secretarias estaduais, estatais e institutos, 15 players do setor privado, como operadoras e empresas de tecnologia, e mais seis entidades representantes da sociedade civil. O objetivo é entender as necessidades específicas de conectividade em áreas de difícil acesso e desenvolver soluções eficazes que supram as demandas dessas comunidades.

No ano passado, a SEI iniciou o processo de estudos e mapeamento para ampliação da conectividade em áreas rurais e remotas de baixo acesso à internet. Foram promovidos mais de 40 encontros e reuniões com os setores envolvidos, finalizados com um workshop validação de estudos e propostas.

...