Estudo aponta por que as mulheres são mais suscetíveis a doenças autoimunes que os homens

As doenças autoimunes, um enigma persistente na medicina moderna, afetam desproporcionalmente as mulheres, apresentando até quatro vezes mais risco quando comparadas aos homens. Este fenômeno intrigante pode estar a um passo de ser desvendado, graças a um estudo recente que aponta para o papel crucial do cromossomo X.

A pesquisa, publicada na renomada revista Cell, sugere que o modo como as mulheres controlam seus cromossomos X pode ser a chave para entender essa vulnerabilidade aumentada.

Humanos carregam dois tipos de cromossomos sexuais: X e Y. Enquanto a maioria dos homens possui um conjunto XY, as mulheres normalmente têm dois cromossomos X. Este último cromossomo contém um arsenal de genes essenciais, mas, para evitar a superprodução de proteínas, um dos cromossomos X é silenciado nas células femininas através de uma complexa molécula de RNA conhecida como Xist.

O processo de “silenciamento” impede a produção excessiva de proteínas, mantendo o equilíbrio celular. No entanto, a presença do Xist e sua propensão a se ligar a proteínas podem predispor as mulheres a doenças autoimunes. Esses complexos RNA-proteína podem desencadear uma resposta imune anormal, onde o corpo ataca suas próprias proteínas, sugerindo uma ligação direta entre o controle do cromossomo X e a susceptibilidade a doenças autoimunes.

O estudo conduzido pelo Dr. Howard Chang, da Universidade de Stanford, e sua equipe, marca um avanço significativo na compreensão da autoimunidade. Eles manipularam geneticamente ratos para expressar o Xist de maneiras que mimetizam a condição humana, observando um aumento correspondente nos sintomas autoimunes em machos, similares aos observados em fêmeas.

Esta descoberta não apenas esclarece um mecanismo potencial por trás da maior incidência de doenças autoimunes em mulheres, mas também abre novos caminhos para a pesquisa de tratamentos. A identificação de autoanticorpos específicos associados ao Xist em pacientes com autoimunidade fornece uma nova direção para diagnósticos e terapias personalizadas.

O estudo sobre o papel do cromossomo X nas doenças autoimunes representa um marco na medicina, trazendo esperança para milhões de mulheres afetadas por estas condições debilitantes. Ao desvendar os mecanismos genéticos e imunológicos subjacentes, os cientistas estão mais perto do que nunca de desenvolver intervenções mais eficazes. Esta pesquisa não só ilumina o caminho para tratamentos futuros, mas também reforça a importância de entender as diferenças biológicas entre os sexos na saúde e na doença.

Cinco doenças autoimunes mais comuns:

As doenças autoimunes são um amplo espectro de condições onde o sistema imunológico ataca por engano tecidos saudáveis do corpo. Aqui estão cinco doenças autoimunes comuns:

  1. Artrite Reumatoide: Esta doença crônica provoca inflamação nas articulações e tecidos circundantes, podendo levar a dor, inchaço e eventualmente degeneração articular e deformidade.
  2. Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES): O lúpus é uma doença complexa e multifacetada que pode afetar a pele, as articulações, os rins, o cérebro, e outros órgãos. Caracteriza-se por períodos de atividade (surtos) e remissão, podendo variar consideravelmente em gravidade.
  3. Esclerose Múltipla (EM): Esta doença afeta o cérebro e a medula espinhal, causando uma ampla gama de sintomas potenciais, incluindo problemas de visão, fraqueza muscular, dificuldade de coordenação e equilíbrio, sensações anormais e, em casos graves, paralisia.
  4. Doença de Graves: Uma forma de hipertireoidismo, onde o sistema imunológico ataca a glândula tireoide, levando-a a produzir mais hormônios tireoidianos do que o necessário. Isso pode resultar em perda de peso, batimento cardíaco acelerado, nervosismo e exoftalmia (olhos salientes).
  5. Doença Celíaca: Esta condição é desencadeada pela ingestão de glúten, uma proteína encontrada no trigo, cevada e centeio. O sistema imunológico ataca o revestimento do intestino delgado, levando a sintomas digestivos, como diarreia, dor abdominal e inchaço, além de pode causar desnutrição e complicações a longo prazo.

Estas doenças ilustram a diversidade das condições autoimunes, cada uma afetando o corpo de maneiras diferentes, mas todas com a característica comum do sistema imunológico atacando o próprio organismo.

Com informações da LiveScience e Jornal da Fronteira

...