Estudiosos encontram fóssil de mãe embalando bebê de 4.800 anos

Muitas vezes, as escavações arqueológicas passam despercebidas pelo grande público, com potes quebrados e ossos espalhados raramente atraindo a atenção da mídia.

No entanto, uma descoberta em Taiwan desafiou essa norma, com fotos dos corpos exumados tornando-se virais e grandes organizações de notícias, da Fox News ao Huffington Post, relatando a história. Mas o que tornou essa descoberta tão especial? Era um esqueleto da Idade da Pedra de uma mãe embalando um bebê em um túmulo compartilhado.

A escavação científica que revelou essa comovente descoberta começou em 2014 e levou cerca de um ano para ser concluída. Apenas tempos depois, começaram a ser divulgadas informações mais detalhadas do que foi encontrado.

Uma equipe de arqueólogos liderada por Chu Whei-Lee, do Museu Nacional de Ciência de Taiwan, estava trabalhando em um sítio neolítico a 10 quilômetros da costa oeste de Taiwan.

Hoje, essa área é chamada de cidade de Taichung, mas o local em si foi apelidado de An-ho. Os especialistas acreditam que o litoral mudou ao longo dos anos e que An-ho já foi uma vila costeira. Na verdade, mais de 200 dentes de tubarão foram encontrados nas habitações do local, no entanto, não se sabe se esses dentes eram práticos, decorativos ou espirituais. Os habitantes de An-ho eram provavelmente pessoas Dabenkeng.

mae 4 mil anos

“O povo Dabenkeng foi os primeiros agricultores de Taiwan, que podem ter vindo das costas sul e sudeste da China há cerca de 5.000 anos”, diz Chengwha Tsang, da Academia Sinica de Taiwan. “Esta cultura é a cultura neolítica mais antiga encontrada até agora em Taiwan.” A cultura Dabenkeng taiwanesa apresentava cerâmica com fio e enxós de pedra.

Embora o Dabenkeng tenha persistido até o terceiro milênio a.C. na China continental, o Dabenkeng taiwanês durou apenas até cerca de 4.500 a.C. No entanto, a partir de Taiwan, os Dabenkeng espalharam-se pelo Sudeste Asiático e pela Oceânia, trazendo consigo sua cultura e língua. “Eles foram provavelmente os primeiros ancestrais dos povos de língua austronésia que vivem hoje em Taiwan e nas ilhas do Pacífico”, disse Tsang.

Em An-ho, foram descobertas 48 sepulturas, incluindo de cinco crianças. No entanto, o túmulo compartilhado de uma mãe olhando para um bebê embalado em seus braços foi a descoberta mais comovente e intrigante de todas. A maneira como essa mãe e bebê foram enterrados permanece um mistério.

“A ‘jovem’ mãe que segurava o bebê foi a que mais nos surpreendeu”, disse o líder da equipe, Chu Whei-Lee. “Acho que foram enterrados debaixo de casa pelos seus entes queridos”, acrescenta ela, embora sejam necessárias mais provas para apoiar essa ideia. “Quando foi descoberto, todos os arqueólogos e membros da equipe ficaram chocados. Por que? Porque a mãe estava olhando para o bebê em suas mãos”, disse Chu Whei-lee.

Mais testes estão em andamento, incluindo análises de DNA da mãe e da criança, bem como de outras sepulturas. O que já sabemos é que a mãe tinha 160 cm de altura e o bebê tinha 50 cm. A datação por carbono estima a época do sepultamento em cerca de 4.800 anos atrás, colocando-os diretamente na Idade da Pedra da ilha. Os corpos foram enterrados em um típico alinhamento norte-sul, mas de forma não convencional, eles foram colocados de costas (em vez de ficarem de bruços como os outros túmulos no local). Além disso, o rosto da mãe está inclinado para a direita e para baixo, de modo que ela olha para o bebê em seus braços, mesmo em forma de esqueleto, cerca de 5.000 anos depois.

Sem dúvida, esse antigo momento materno foi o que permitiu que a dupla se tornasse uma sensação viral dos dias modernos. A história de An-ho continua a fascinar, lembrando-nos de que o passado muitas vezes pode tocar profundamente o presente. A comovente imagem dessa mãe e bebê continua a ecoar através dos séculos, cativando o mundo moderno com sua misteriosa conexão.

...