Dezenas de espadas e tesouros são recuperados de navio naufragado há 300 anos

A história marítima foi revivida com a descoberta surpreendente do Rooswijk, um navio holandês do século XVIII que naufragou na costa da Inglaterra em 1740. Uma expedição recente ao fundo do mar desvendou cerca de 2.500 artefatos, desde espadas com gravuras místicas até moedas de prata cunhadas na Cidade do México. Esta descoberta não apenas cativa pela quantidade e pela qualidade de preservação dos objetos mas também fornece insights valiosos sobre a vida, a cultura e o comércio do século XVIII.

Um Tesouro Submerso Revelado

Entre os tesouros recuperados, dezenas de espadas destacam-se por suas gravuras de sol, lua, estrelas e cobras, sugerindo uma utilização cerimonial ou de prestígio pelos soldados da época. Moedas de prata com a letra “M” gravada remetem à sua origem na Cidade do México, destacando as rotas comerciais globais que conectavam continentes. Além disso, os mergulhadores encontraram fragmentos de cerâmica, objetos de vidro, armas de fogo, ferramentas e itens de uso pessoal, cada um contando sua própria história de comércio, vida cotidiana e tecnologia do século XVIII.

A condição notável dessas relíquias, após mais de 300 anos submersas, deve-se à profundidade moderada de 25 metros do naufrágio e à cobertura protetora dos sedimentos. Este ambiente criou um cápsula do tempo, preservando os detalhes intricados dos objetos e oferecendo uma visão sem precedentes da era das explorações marítimas e do comércio global.

O Rooswijk e a Companhia Holandesa das Índias Orientais

O Rooswijk, pertencente à Companhia Holandesa das Índias Orientais, simboliza o poder e o alcance do comércio marítimo europeu do século XVIII. A caminho de Jacarta, na Indonésia, o trágico naufrágio resultou na perda de todos os 237 tripulantes a bordo, mas a carga recuperada revela a complexidade das redes comerciais da época, incluindo o comércio de especiarias, metais preciosos e outros bens valiosos entre a Europa e a Ásia.

Os artefatos do Rooswijk não estão apenas enriquecendo o conhecimento histórico; eles estão sendo cuidadosamente conservados e exibidos em museus na Holanda e no Reino Unido. Essas exposições permitem ao público mergulhar na história marítima, compreendendo melhor as dinâmicas do comércio global, da navegação e da vida no mar no século XVIII.

A descoberta do naufrágio do Rooswijk e seus 2.500 artefatos é um marco na arqueologia marítima, oferecendo uma janela para o passado que desafia e expande nossa compreensão da história global. Os itens recuperados contam histórias de aventura, comércio, tecnologia e tragédia, ilustrando a complexidade da vida e do comércio no século XVIII. À medida que especialistas continuam a estudar e preservar estes artefatos, o legado do Rooswijk vive, inspirando curiosidade e admiração pelas gerações vindouras, e reforçando a importância de preservar nosso patrimônio subaquático para futuras descobertas.

...