Descoberta histórica no Sinai revela palácio de Tutmés III com 3500 anos

Uma fascinante revelação arqueológica trouxe à luz as ruínas de um palácio real no sítio arqueológico de Tel Habwa, localizado na região arqueológica do Norte do Sinai.

Esta descoberta não só revela novos insights sobre as estruturas de poder do antigo Egito mas também ilumina aspectos da vida e estratégias militares de um dos mais formidáveis faraós do Egito, Tutmés III.

Conhecido por suas habilidades militares e expansão territorial, Tutmés III governou o Egito entre 1479 a.C. e 1425 a.C. Durante seu reinado, o faraó lançou várias campanhas militares que expandiram significativamente o império egípcio.

O palácio em Tel Habwa, construído predominantemente de tijolos de barro, é pensado para ter servido como um ponto de parada e fortificação para as tropas e possivelmente a própria realeza durante estas expedições.

A equipe de arqueologia egípcia, liderada pelo professor Ramadan Helmy, encontrou o palácio durante escavações que fazem parte do Projeto de Desenvolvimento do Sinai. O edifício se caracteriza por uma arquitetura refinada e pouco comum, incluindo dois salões retangulares consecutivos e várias salas adjacentes.

A entrada principal do palácio, alinhada ao norte, leva a um salão imponente sustentado por colunas de calcário. Esse salão, por sua vez, se conecta a um segundo, menor, também caracterizado por colunas e soleiras de pedra marcando as entradas.

A datação do palácio foi realizada através de análises estratigráficas e estudos dos fragmentos de cerâmica encontrados no local. Interessantemente, a escassez de fragmentos de cerâmica sugere que o local tinha um uso bastante restrito e cuidadoso, provavelmente reservado para a elite e funções reais. Além disso, a descoberta de inscrições e artefatos com o nome de Tutmés III fortalece a ligação do faraó com este sítio.

Este palácio não apenas servia como uma base militar estratégica mas também como um símbolo do poder e prestígio do faraó. A presença de um palácio real nesta região sublinha a importância do Sinai como uma rota militar crucial e um ponto de controle para as campanhas voltadas ao Mediterrâneo oriental.

Além do palácio, o sítio arqueológico também revelou sepulturas que indicam seu uso como cemitério em períodos posteriores. Estas descobertas abrem novas avenidas para a pesquisa, prometendo expandir nosso entendimento sobre as práticas funerárias e a continuidade do uso dos espaços pelo antigo Egito.

A descoberta do palácio real em Tel Habwa é um testemunho impressionante do passado glorioso do Egito e do seu renomado líder, Tutmés III.

Veja alguns textos que podem te interessar:

Civilizações antigas nas selvas brasileiras

O mistério das ruas antigas que se iluminam à noite

...