Conab compra 263,3 mil t de arroz importado em leilão

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) comprou 263,3 mil toneladas de arroz importado em leilão realizado na manhã desta quinta-feira (6). A previsão do governo era comprar até 300 mil toneladas do alimento.

A estratégia do leilão foi adotada para reduzir o preço do arroz, que chegou a aumentar 40% por causa das enchentes no Rio Grande do Sul. O estado gaúcho é responsável por 70% da produção nacional do grão.

Os percentuais de alta foram questionados por Carlos Cogo, Sócio-Diretor de Consultoria da Cogo Inteligência em Agronegócio, que destacou a falta de dados específicos para validar esses percentuais ou o período exato mencionado.

Segundo a CONAB, entre 29 de abril e a última semana de maio, o preço do arroz longo fino no atacado em São Paulo aumentou 7,1%, passando de R$ 166,60 para R$ 178,40. No Rio Grande do Sul, o preço do arroz em casca ao produtor subiu 12,9%, de R$ 104,27 para R$ 117,70. Já no varejo de São Paulo, o preço do quilo para o consumidor caiu 2,0%, de R$ 6,08 para R$ 5,96.

Carlos Cogo explicou que os preços globais do arroz têm se mantido elevados desde julho de 2023, quando a Índia, o maior exportador mundial, proibiu as exportações devido a uma seca severa. Este evento causou um aumento significativo nos preços internacionais. O preço do arroz beneficiado WR 100%B da Tailândia subiu 46,5%, de US$ 453/t FOB para US$ 664/t. No Paraguai, principal fornecedor de arroz para o Brasil, o preço do arroz beneficiado tipo 1 com 5% de quebrados aumentou 71,2%, de US$ 473/t FOB para US$ 810/t. Esses aumentos refletem a influência da paridade internacional sobre os preços no Brasil e no Mercosul.

Cogo concluiu que é incorreto afirmar que os preços do arroz no Brasil subiram de 30% a 40%. “Conforme dados da CONAB, o preço do arroz ao consumidor subiu 25,6% desde julho do ano passado, bem abaixo das altas ocorridas globalmente. Não há justificativas plausíveis para o governo importar arroz e vender com subsídios, dispendendo R$ 7,2 bilhões em recursos públicos. E não há justificativa para tabelar a venda a R$ 4 o quilo, abaixo do custo de produção do grão e da paridade internacional de preços”, afirmou.

O governo pretende vender o arroz em embalagem específica a R$ 4 o quilo, de forma que o preço final não ultrapasse R$ 20 pelo pacote de 5 quilos.

O produto será destinado a pequenos varejistas, mercados de vizinhança, supermercados, hipermercados, atacarejos e estabelecimentos comerciais em regiões metropolitanas, com base em indicadores de insegurança alimentar.

O leilão chegou a ser barrado pela Justiça Federal em Porto Alegre. O presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Fernando Quadros da Silva, entretanto, acatou pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) e liberou a realização do pregão

...