Cidade perdida de 700 anos pode ter sido descoberta pelos arqueólogos

No vasto oceano do conhecimento humano, cada nova descoberta arqueológica serve como uma janela para o passado, ampliando nossa compreensão sobre as civilizações que nos precederam.

Recentemente, um avanço significativo foi realizado em Tongatapu, Tonga, onde pesquisadores da Universidade Nacional da Austrália identificaram vestígios de uma antiga cidade, desafiando as noções prévias sobre a história da urbanização na região.

A equipe de arqueólogos, empregando tecnologia de escaneamento a laser de última geração, desvendou cerca de 10 mil montes que foram datados em torno de 300 d.C. Este achado é particularmente notável porque precede em aproximadamente 700 anos as estimativas anteriores de qualquer forma de urbanização significativa no arquipélago de Tonga. Este sítio arqueológico não apenas lança luz sobre uma possível urbanização de baixa densidade, mas também sobre a organização social, residencial e econômica das populações antigas da região.

A utilização de tecnologia de escaneamento a laser, conhecida como LiDAR (Light Detection and Ranging), foi fundamental nesta descoberta. Este método permite aos arqueólogos penetrar a cobertura vegetal densa e revelar estruturas ocultas ao olho nu, proporcionando uma imagem mais clara e precisa do layout da antiga cidade. Este avanço tecnológico não só facilita descobertas mais rápidas e detalhadas, mas também protege o sítio de danos que poderiam ser causados por escavações tradicionais.

descoberta

Os montes identificados sugerem uma urbanização de baixa densidade, com áreas residenciais dispersas e centros comunitários. Esta configuração urbana pode indicar formas de organização social e econômica que diferem significativamente das dos modelos ocidentais de cidades. Tais descobertas podem ajudar os historiadores a reimaginar a complexidade e diversidade das formas urbanas antigas, além de oferecer novas perspectivas sobre o comércio e as interações sociais pré-históricas na Polinésia.

Além de suas implicações arqueológicas e tecnológicas, a descoberta em Tonga tem um significativo impacto cultural e histórico. Ela oferece aos povos de Tonga e da Polinésia uma nova compreensão de seu passado, fortalecendo laços culturais e reafirmando a rica história pré-colonial da região. A pesquisa continua, e cada nova informação extraída pode potencialmente alterar a narrativa histórica de Tonga e da expansão humana pelos oceanos.

A descoberta de uma cidade antiga em Tongatapu não é apenas um marco arqueológico; é um lembrete da constante evolução do nosso entendimento sobre o passado humano. Equipados com tecnologia moderna e um espírito incansável de descoberta, os arqueólogos continuam a desvendar os segredos enterrados pelo tempo, permitindo-nos vislumbrar a complexidade de civilizações que, embora distantes, são intrinsecamente ligadas à nossa própria história.

A pesquisa em Tonga promete não apenas redefinir antigos paradigmas, mas também enriquecer nosso apreço pela diversidade e engenhosidade humana ao longo dos séculos.

Veja alguns textos que podem te interessar:

Arqueólogos encontram móveis de madeira nas ruínas milenares de Herculano

Templos com milhares de anos esculpidos na rocha são identificados na Turquia

...