Chineses clonam macaco que se torna o 1º do mundo a atingir idade adulta

Em um avanço científico sem precedentes, pesquisadores chineses relataram na revista Nature Communications a bem-sucedida clonagem e sobrevivência de um macaco da espécie rhesus, batizado de ReTro. Este feito notável não apenas destaca um progresso significativo na biotecnologia, mas também abre novas avenidas para pesquisas biomédicas, utilizando primatas com genéticas consistentes.

O estudo realizado pelo Centro de Excelência em Ciência do Cérebro e Tecnologia de Inteligência, juntamente com o Instituto de Genética e Biologia do Desenvolvimento da Academia Chinesa de Ciências, introduziu uma técnica inovadora de substituição trofoblástica. Esse método envolve a substituição da placenta de um embrião clonado por outra de um embrião gerado por fertilização in vitro. Tal abordagem não apenas reduziu o risco de defeitos no desenvolvimento – um desafio comum em processos de clonagem – mas também demonstrou uma melhoria significativa na taxa de sobrevivência dos embriões clonados.

ReTro não é apenas um macaco clonado; ele simboliza um marco na pesquisa científica, sendo o primeiro de sua espécie a atingir a idade adulta. Este sucesso é um testemunho da eficácia da substituição trofoblástica, uma estratégia que pode transformar o campo da biotecnologia, permitindo a clonagem eficiente de primatas.

A técnica inovadora de clonagem tem implicações de longo alcance, potencialmente habilitando o uso de primatas clonados em testes de drogas e pesquisas comportamentais. Tradicionalmente, a clonagem de mamíferos enfrentou desafios significativos, com altas taxas de mortalidade de embriões e recém-nascidos. A abordagem adotada pelos pesquisadores chineses, no entanto, promete superar esses obstáculos, oferecendo uma plataforma confiável para a pesquisa biomédica.

Embora macacos sobreviventes tenham sido obtidos por métodos de reprodução assistida nas décadas anteriores, a clonagem de ReTro representa um avanço significativo. Em 2017, a China já havia se destacado no cenário mundial com o nascimento do primeiro macaco clonado do mundo. A nova tecnologia sugere a possibilidade de construir modelos animais de primatas para pesquisas biomédicas, com antecedentes genéticos e genótipos consistentes.

O nascimento de ReTro marca o início de uma nova era na pesquisa biomédica, com potencial para transformar radicalmente a forma como estudamos doenças e desenvolvemos tratamentos. A técnica de substituição trofoblástica, ao melhorar a eficiência e a viabilidade da clonagem de primatas, abre um mundo de possibilidades para avanços científicos e médicos.

Este estudo não apenas demonstra o poder da inovação e da perseverança científica, mas também reforça o papel vital da clonagem na medicina e na pesquisa biomédica do futuro.

...