Antigo templo pagão é descoberto repleto de tesouros enterrados

No ano passado, arqueólogos e grupos da comunidade em Suffolk, Inglaterra, fizeram uma descoberta notável ao desenterrar os restos de uma estrutura com 1.400 anos de idade. As escavações subsequentes revelaram que a grande sala de madeira era, na verdade, um templo pré-cristão associado a Sutton Hoo. Essa descoberta arqueológica aconteceu em Rendlesham, nas proximidades de Sutton Hoo, o lendário local que abriga dois magníficos cemitérios anglo-saxônicos datados dos séculos VI e VII, em Suffolk, Inglaterra.

O projeto de arqueologia comunitária chamado “Rendlesham Revealed” tem sido fundamental nessa investigação em curso no vale de Deben. No ano anterior, foram encontrados os buracos de postes dessa estrutura misteriosa pelos pesquisadores desse projeto. Este local arqueológico adiciona uma camada fascinante à história de Sutton Hoo e da região.

Melanie Vigo di Gallidoro, Conselheira de Suffolk e Vice-Chefe do Gabinete de Paisagens Protegidas e Arqueologia, destacou a participação ativa da comunidade local nesse empreendimento. Mais de 200 voluntários da comunidade estiveram envolvidos no ano passado, elevando o total de voluntários para mais de 600 durante o programa de escavações de três anos. Os grupos envolvidos incluíram o “Suffolk Family Carers”, o “Suffolk Mind” e até mesmo crianças de escolas primárias de Rendlesham, Eyke e Wickham Market.

O Professor Christopher Scull, que liderou a escavação recente do Conselho do Condado de Suffolk, descreveu a descoberta da “grande sala de madeira” em Rendlesham no ano anterior como “notável”. A estrutura media 10 metros de comprimento e 5 metros de largura, sendo notavelmente alta e robustamente construída para o seu tamanho. Os pesquisadores concluíram que ela foi construída com um propósito especial. Suas dimensões são semelhantes às de edifícios em outras partes da Inglaterra que são considerados templos ou casas de culto. Isso levanta a possibilidade de que o local tenha sido usado para rituais de adoração pré-cristã pelos primeiros reis dos Anglos Orientais.

O período em questão remonta ao Reino de East Anglia, quando Norfolk e Suffolk constituíam um pequeno reino independente dos Anglos. East Anglia fazia parte da antiga Heptarquia Anglo-Saxônica, que consistia em sete pequenos reinos que floresceram desde o assentamento anglo-saxônico na Grã-Bretanha no século V, até serem consolidados em quatro reinos maiores durante o século VIII, incluindo East Anglia.

Além da estrutura em si, os arqueólogos descobriram vestígios de ourivesaria fina, incluindo um molde usado para a fundição de arreios decorativos de cavalos. Este artefato em particular possui semelhanças com exemplos encontrados no vizinho cemitério “principeco” de Sutton Hoo. Portanto, suspeita-se que este local do templo também tenha sido usado por linhagens reais anglo-saxônicas.

templo pagao 3

Os anglo-saxões, que viveram na Inglaterra do século V ao século XI, praticavam rituais pagãos influenciados por suas raízes germânicas. Isso incluía sacrifícios, banquetes e magia rúnica. Os funerais eram eventos significativos, marcados por sepultamentos com bens funerários, e festivais sazonais e narrativas desempenhavam papéis centrais em sua cultura. No entanto, a conversão ao cristianismo nos séculos VII e VIII trouxe grandes mudanças, substituindo os rituais pagãos por cerimônias cristãs.

A equipe de pesquisadores mergulhou em textos históricos em busca de registros sobre o templo e, na “História Eclesiástica do Povo Inglês” do Venerável Bede, o local em Rendlesham é reconhecido como “um centro anglo-oriental de realeza”. Além disso, Bede afirmou que o Rei Redwald, que se acredita estar sepultado no túmulo do navio de Sutton Hoo por volta do ano 625 d.C., “mantinha um templo no qual havia altares para deuses pré-cristãos ao lado de um altar para Cristo”.

Essa descoberta em Rendlesham acrescenta uma página empolgante à história anglo-saxônica e destaca a importância de Sutton Hoo como um local de significado arqueológico e cultural.

...