Animal imortal intriga a comunidade científica

Créditos: Meus animais

Você ja ouviu as pessoas dizendo do ciclo de vida que os animais seguem, nascem, crescem e vão morrendo. Entretanto, existe uma exceção: este animal desafia o padrão do ciclo de vida, conquistando o título de “imortal”, pois aparenta não morrer às causas naturais da morte. Mesmo sendo vulnerável aos predadores e acidentes, essa habilidade única dele de se regenerar permite-o viver por muitos séculos.

Qual o animal “imortal”?

A Água-Viva Imortal, também conhecida cientificamente como Turritopsis dohrnii (anteriormente classificada como Turritopsis nutricula), é uma das mais de 4.000 espécies de águas-vivas encontradas em todo o mundo. Embora o termo “imortal” normalmente seja usado de forma figurativa, no caso desta medusa, é literalmente verdadeiro.

Esta peculiar criatura desafia a noção convencional de envelhecimento e morte. Enquanto a maioria dos seres vivos segue um ciclo de vida linear, a Turritopsis dohrnii é capaz de reverter esse processo. Após atingir a fase adulta, ela pode regredir ao estágio inicial, como se estivesse passando por um rejuvenescimento. Dessa forma, o tempo e a idade não representam ameaças para a sua existência, pois ela possui a capacidade de se recuperar de ferimentos não letais com facilidade.

animal imortal
Créditos: UOL Notícias

A descoberta dessa espécie intrigante foi feita por acaso pelo estudante alemão de biologia marinha, Christian Sommer, durante suas férias na Riviera Italiana em 1988. Após estudá-la em laboratório, Sommer ficou perplexo ao constatar que essa água-viva desafiava as expectativas ao recusar-se a morrer.

Tamanho do animal

Com um tamanho máximo de cerca de 4,5mm e entre 80 e 90 tentáculos, a Turritopsis dohrnii chama a atenção dos cientistas e da indústria farmacêutica devido às suas notáveis capacidades de regeneração e longevidade. Seu estudo desperta interesse especial no campo da pesquisa sobre o envelhecimento, oferecendo insights valiosos que podem eventualmente beneficiar a medicina e a compreensão da biologia do envelhecimento.

Curiosamente, essa busca por respostas sobre a imortalidade não se restringe apenas às águas-vivas; outras criaturas, como as baleias, também são objeto de estudo nesse contexto, revelando a incessante busca da humanidade pelo entendimento dos mistérios da vida e da longevidade.

animal imortal
Créditos: immortal-jellyfish.com

Tudo o que se sabe sobre a água viva

Turritopsis dohrnii

Turritopsis dohrnii, conhecida anteriormente como T. nutricula, é uma espécie única pertencente à classe dos hidrozoários que tem intrigado a comunidade científica devido à sua capacidade incomum de imortalidade biológica. Esta habilidade permite que em determinadas fases de seu ciclo de vida, ela reverta ao seu estado inicial e forme um novo pólipo, tudo isso como resposta ao estresse ambiental ou traumas físicos. Esse fenômeno impressionante tornou esta pequena criatura um alvo crucial para a pesquisa sobre envelhecimento e para a indústria farmacêutica.

Alimentação e descrição

Essas medusas se alimentam principalmente de zooplâncton, embora também sejam conhecidas por caçar outras espécies de medusas. Na fase de medusa, a Turritopsis dohrnii assume a forma de um sino com cerca de 4,5 mm de diâmetro. Os indivíduos jovens, com aproximadamente 1 mm de diâmetro, possuem apenas oito tentáculos, enquanto os adultos podem ter entre 80 e 90 tentáculos. Sua estrutura nervosa densa e seu estômago relativamente grande e vermelho são características notáveis que a distinguem.

Distribuição e comportamento

Acredita-se que o gênero Turritopsis tenha se originado no Pacífico e se espalhado pelo oceano por meio de migrações trans-árticas. Hoje, é encontrado em regiões temperadas e tropicais, incluindo o Mar Mediterrâneo, Panamá, Flórida, Mar do Norte e Japão. Essa espécie, apesar de invasiva, não tem causado impactos significativos devido ao seu pequeno tamanho e interação limitada com o ecossistema.

animal imortal
Créditos: Adobe Stock

O comportamento e a morfologia da Turritopsis dohrnii variam ao longo do ciclo de vida. Na fase de medusa, ela habita a zona superficial do mar, onde vive livremente como animal meroplanctônico. Além disso, possui uma fase de pólipo betônica, conhecida como hidroide, onde forma estruturas ramificadas fixadas ao substrato.

Ciclo de vida

O ciclo de vida desta espécie é complexo e fascinante. Começando como larva planula, ela se estabelece no solo e forma uma colônia de pólipos. Estes pólipos ramificam-se e, após alguns dias, liberam segmentos que se transformam em medusas livres. As medusas maduras reproduzem-se sexualmente e produzem ovos, iniciando um novo ciclo. No entanto, se expostas a estresse ambiental, agressão física ou doença, podem reverter para a fase de pólipo, formando uma nova colônia.

A jornada da Turritopsis dohrnii desafia as noções convencionais de envelhecimento e morte, oferecendo uma visão intrigante sobre os mistérios da vida e da biologia do envelhecimento.

Conclusão

A extraordinária capacidade da Turritopsis dohrnii de desafiar o envelhecimento e a morte tem fascinado cientistas e estudiosos em todo o mundo. Sua habilidade única de regeneração e reversão ao estado de pólipo em resposta ao estresse ambiental representa um fenômeno biológico incomparável. Além de seu papel como objeto de estudo na pesquisa sobre o envelhecimento e na indústria farmacêutica, essa medusa imortal oferece insights valiosos sobre os processos celulares e as possibilidades da vida.

À medida que continuamos a explorar e entender as complexidades da Turritopsis dohrnii, somos confrontados com questões fundamentais sobre a natureza da vida e suas infinitas possibilidades. A jornada desta pequena criatura marinha é um lembrete poderoso da maravilha e da complexidade do mundo natural.

...