10 cidades antigas que guardam monumentos milenares

As curiosidades relacionadas aos lugares mais antigos do mundo são sempre receadas de mistérios, que, em geral, crescem na medida que os estudiosos estudam estes locais.

Explorar cidades que atravessaram milênios é mergulhar diretamente na história da civilização humana. Muitas destas cidades não apenas sobreviveram ao teste do tempo, mas também preservam relíquias que são verdadeiros tesouros arqueológicos.

A gente relacionou aqui as dez cidades com cerca de 5.000 anos ou até mais, cada uma delas abrigando monumentos que contam histórias de eras passadas.

Alguns dos lugares que citamos nesta matéria, para não dizer todas, guardam a essência de seus antigos fundadores, através de monumentos, pedras e vestígios físicos que conectam o passado ao momento atual.

1. Jerusalém, Israel

Jerusalém, uma cidade que se estende além dos limites da história comum, possui uma tapeçaria rica em eventos religiosos, políticos e culturais. Fundada aproximadamente em 2800 a.C., ela se mantém como um dos centros mais venerados do mundo, sendo crucial para as três grandes religiões monoteístas: Judaísmo, Cristianismo e Islamismo.

cidades antigas jerusalem 1

A história de Jerusalém remonta a um passado quase mítico, com suas origens entrelaçadas nas narrativas religiosas e históricas das civilizações que ali prosperaram. Sua importância começa no Judaísmo, onde é vista como a cidade escolhida por Deus. O Muro das Lamentações, ou Kotel, é o remanescente mais significativo do Segundo Templo de Jerusalém, destruído pelos romanos no ano 70 d.C., e é hoje um local de oração e peregrinação para judeus de todo o mundo.

No Cristianismo, Jerusalém é reverenciada como o local da crucificação, sepultamento e ressurreição de Jesus Cristo. A Igreja do Santo Sepulcro, construída sobre o local onde se acredita que estes eventos ocorreram, atrai milhares de peregrinos cristãos anualmente, que vêm venerar e refletir sobre os fundamentos de sua fé.

Para o Islamismo, a cidade também detém grande significado. O Domo da Rocha, uma deslumbrante estrutura islâmica com seu impressionante domo dourado, marca o local de onde, segundo a tradição, o Profeta Maomé ascendeu aos céus durante sua viagem noturna, tornando-a a terceira cidade mais sagrada do Islamismo.

Além de seu papel como epicentro religioso, Jerusalém tem sido frequentemente um ponto de conflito ao longo dos séculos. A cidade viu inúmeras batalhas, mudanças de governança e disputas territoriais, refletindo a complexidade de sua importância para diferentes grupos. Atualmente, ela está no coração do conflito israelense-palestino, com questões sobre soberania e direitos de acesso aos locais sagrados continuamente em debate.

Apesar desses conflitos, Jerusalém também serve como um símbolo de coexistência. Em suas ruas, vê-se uma mistura de povos, religiões e culturas que, apesar das tensões, compartilham uma vida diária e mantêm suas tradições vivas. Esta coexistência, embora frágil, é um testamento à resiliência e à importância universal da cidade.

2. Atenas, Grécia

Agora, vamos para a terra dos pais da filosofia. Atenas não é apenas uma cidade, é um emblema da sabedoria, da arte e da democracia. Com suas origens datando de cerca de 3000 a.C., esta cidade histórica serve como um farol das gloriosas realizações do mundo antigo, abrigando maravilhas como a Acrópole e o Partenon, que continuam a fascinar e inspirar gerações.

atenas

A história de Atenas é rica e multifacetada, entrelaçada com mitos e realidades que moldaram não apenas a Grécia, mas todo o Ocidente. A cidade é considerada uma das mais antigas do mundo, com vestígios de habitação humana que remontam ao Neolítico. Atenas, segundo a mitologia grega, deve seu nome à deusa Atena, que presenteou os cidadãos com a oliveira, símbolo de paz e prosperidade, vencendo Poseidon em sua disputa pelo padroeiro da cidade.

No coração de Atenas, ergue-se a Acrópole, uma cidadela situada nas alturas rochosas acima da agitação da cidade moderna. Este sítio arqueológico não é apenas um conjunto de ruínas antigas; é um complexo de edifícios que exemplifica a grandiosidade da arquitetura grega clássica. O Partenon, dedicado à deusa Atena Parthenos, domina este complexo e é reverenciado por sua harmonia arquitetônica e detalhes escultóricos, que narram as façanhas de deuses e homens.

Além do Partenon, a Acrópole abriga outras estruturas significativas como o Erecteion, famoso por suas Cariátides – colunas esculpidas em forma de mulheres. O Templo de Atena Nike, também parte deste conjunto, simboliza a celebração da vitória e a esperança de paz duradoura.

Além de seu legado arquitetônico, Atenas é o berço da democracia. No século V a.C., sob a liderança de figuras como Péricles, a cidade experimentou seu “Século de Ouro”, durante o qual a democracia foi instituída como forma de governo. Este período não apenas definiu os contornos políticos de Atenas mas também deu origem a avanços significativos nas artes, filosofia e ciências, com figuras como Sócrates, Platão e Aristóteles, cujos pensamentos ainda ressoam até hoje.

Atualmente, Atenas é uma metrópole vibrante que abraça tanto seu passado milenar quanto o presente dinâmico. Museus como o Museu da Acrópole oferecem aos visitantes uma visão profunda do seu glorioso passado, enquanto a cidade continua um centro de cultura, educação e política na Grécia moderna. A cada esquina, a história se mistura com a contemporaneidade, permitindo que residentes e visitantes experimentem a continuidade de uma civilização que moldou fundamentalmente o mundo ocidental.

3. Varanasi, Índia

Convidamos você agora a voar conosco para a Índia. Vamos aterrissar em Varanasi, também conhecida como Benares ou Kashi, é mais do que uma cidade; é um fenômeno cultural e espiritual. Considerada uma das cidades continuamente habitadas mais antigas do mundo, com suas origens datando de cerca de 1200 a.C., Varanasi é um símbolo da imortalidade da Índia e um centro pulsante de fé e história.

varanasi

Situada às margens do sagrado Rio Ganges, Varanasi tem uma história que é tão antiga quanto a própria civilização indiana. A cidade é frequentemente citada nas escrituras hindus, incluindo os Vedas e os grandes épicos da Índia, o Ramayana e o Mahabharata. Estas escrituras descrevem Varanasi como um lugar de imenso significado espiritual e religioso, um ponto de encontro para deuses e mortais.

Ao longo dos séculos, Varanasi tornou-se um grande centro de aprendizado e cultura, atraindo sábios, poetas, filósofos e teólogos. É nesta cidade que muitas escolas de filosofia indiana floresceram, e o sânscrito foi preservado e enriquecido.

Os ghats de Varanasi são uma das características mais distintivas e emblemáticas da cidade. Existem mais de 80 ghats ao longo do Rio Ganges, cada um com sua própria história e significado. Esses ghats, que são escadarias de pedra levando ao rio, são locais de rituais de purificação onde milhares de peregrinos se banham diariamente para se purificar de seus pecados.

O mais famoso desses ghats é o Dashashwamedh Ghat, conhecido por sua elaborada cerimônia de Aarti realizada ao pôr do sol. Durante esta cerimônia, sacerdotes com grandes candelabros realizam rituais ao som de cânticos, enquanto centenas de pequenas lâmpadas flutuantes são soltas no rio, criando uma atmosfera de profunda reverência e beleza mística.

Varanasi é também um lar para inúmeros templos antigos, que servem como locais de adoração e peregrinação para devotos de todo o mundo. O Templo Kashi Vishwanath, dedicado a Shiva, é um dos doze Jyotirlingas sagrados e um dos templos mais venerados da Índia. A complexidade e a beleza arquitetônica desses templos não apenas atraem fiéis, mas também entusiastas da arte e da história.

Nos dias atuais, Varanasi continua a ser um caldeirão de atividades culturais, espirituais e sociais. A cidade não só preserva suas tradições ancestrais, mas também abraça o novo, tornando-se um lugar onde o antigo e o moderno coexistem harmoniosamente. Festivais, música clássica, artesanato em seda e culinária local são apenas algumas das muitas facetas que compõem a rica tapeçaria de Varanasi.

4. Luxor, Egito

Outrora conhecida como Tebas na antiguidade, Luxor é uma cápsula do tempo, encapsulando a grandeza do Antigo Egito. Datada de cerca de 3200 a.C., esta cidade não é apenas um museu ao ar livre, mas uma ponte para um passado glorioso, repleto de deuses, faraós e monumentos que desafiam o tempo.

templo luxor

Luxor, no seu apogeu como Tebas, foi a capital do Império Novo do Egito, servindo como o eixo político, religioso e militar por cerca de 500 anos, começando no século XVI a.C. Durante esse período, a cidade atingiu o seu zênite, tornando-se conhecida como a “cidade dos cem portões”, devido às suas numerosas entradas, simbolizando sua importância e opulência.

O Templo de Karnak, o maior complexo religioso daquela época, é um testemunho da dedicação dos egípcios antigos aos seus deuses. Com várias capelas, obeliscos, colunas e pátios dedicados principalmente ao deus Amon-Ra, Karnak é uma obra-prima arquitetônica e espiritual que ainda hoje impressiona por sua magnificência e complexidade.

Não muito distante, o Templo de Luxor, conectado ao de Karnak por uma avenida de esfinges, é outro marco histórico que destaca a sagacidade dos antigos egípcios. Este templo era um foco de festividades, especialmente durante o festival de Opet, que simbolizava a renovação da realeza e dos deuses.

Ao oeste de Luxor, escondido entre montanhas rochosas, encontra-se o Vale dos Reis, uma necrópole onde estão enterrados muitos dos faraós do Novo Reino, incluindo Tutancâmon e Ramsés II. Este local foi escolhido pelos egípcios devido à sua localização isolada e difícil acesso, o que, teoricamente, protegeria as tumbas dos saqueadores. As tumbas são famosas por suas decorações intricadas e textos funerários destinados a guiar os reis na vida após a morte.

Luxor continua a ser uma das principais atrações turísticas do Egito, atraindo estudiosos, historiadores e viajantes de todo o mundo, ansiosos por explorar suas riquezas arqueológicas. A cidade também é um foco de escavações e pesquisas arqueológicas, continuamente revelando segredos do passado.

5. Beirute, Líbano

Resistindo ao teste do tempo, vamos agora para Beirute, uma das metrópoles mais antigas e culturalmente ricas do mundo. Com evidências de ocupação humana que remontam a mais de 5000 anos, esta cidade costeira é um livro aberto de histórias e civilizações passadas, desde fenícios a romanos e otomanos.

alley 3854162 1280

A história de Beirute começa nos tempos neolíticos, quando os primeiros assentamentos se formaram ao longo de suas praias prósperas. A cidade se destacou primeiramente como um importante porto para os fenícios, um povo conhecido por suas habilidades marítimas e comércio extensivo pelo Mediterrâneo. Esse período deixou marcas indeléveis em Beirute, com vestígios arqueológicos que mostram sua importância como centro de troca e comunicação.

Sob o domínio romano, Beirute floresceu ainda mais, transformando-se em um centro de direito e educação. Os romanos construíram banhos, templos e teatros, muitos dos quais ainda podem ser parcialmente vistos hoje, como as famosas Termas Romanas no coração da cidade. A famosa escola de direito de Beirute atraiu estudantes de todo o império, solidificando seu status como um farol de sabedoria e aprendizado.

Mais tarde, sob o domínio otomano, Beirute experimentou outra transformação, tornando-se um vibrante porto comercial. Os otomanos fortaleceram a infraestrutura da cidade, construindo novos mercados, mesquitas e banhos que refletiam a rica tapeçaria cultural do império. Durante este período, Beirute também se tornou um mosaico de diversas comunidades étnicas e religiosas, cada uma contribuindo para a complexidade de sua identidade cultural.

Nos tempos modernos, Beirute continuou a ser um símbolo de resiliência. Apesar dos desafios enfrentados durante os conflitos civis e as recentes crises econômicas, a cidade tem mostrado uma capacidade incrível de se reconstruir e se renovar. O centro da cidade, uma vez devastado pela guerra civil, hoje é um vibrante distrito comercial e cultural, onde o antigo e o novo coexistem harmoniosamente.

6. Alepo, Síria

Uma das cidades continuamente habitadas mais antigas do mundo, Alepo é um tesouro de histórias e patrimônio humano. Com assentamentos que remontam a pelo menos 4300 a.C., esta metrópole síria é um monumento vivo às civilizações que passaram por suas muralhas e mercados ao longo de milênios.

cityscape 772778 1280

Alepo foi inicialmente estabelecida como um assentamento no norte da Mesopotâmia, crescendo ao longo de milhares de anos em importância devido à sua posição estratégica nas rotas comerciais entre o Mar Mediterrâneo e a Ásia. Essa localização privilegiada facilitou o intercâmbio de culturas, ideias e bens, tornando Alepo um próspero centro de comércio e um caldeirão cultural desde a antiguidade.

Um dos ícones mais emblemáticos da cidade é a Cidadela de Alepo, uma fortaleza majestosa que se ergue no coração da cidade. Este local, ocupado desde pelo menos o terceiro milênio a.C., serviu como um palácio real, uma fortificação militar e uma acrópole ao longo de suas várias fases históricas. A cidadela, com suas imponentes muralhas e estruturas defensivas, testemunhou inúmeras batalhas e sítios, refletindo a turbulência da região ao longo dos séculos.

Além de sua famosa cidadela, Alepo é conhecida por seus souks históricos, mercados que são labirintos de cultura e comércio. Esses souks são mais do que simplesmente mercados; são centros de vida social e econômica, onde gerações de comerciantes venderam tudo, desde especiarias e seda até artefatos e joias. O zumbido constante da negociação, o aroma das especiarias exóticas e o colorido das mercadorias criam uma tapeçaria viva da herança comercial de Alepo.

Nos tempos modernos, Alepo enfrentou desafios significativos, especialmente devido ao conflito prolongado que afetou severamente a cidade e seu patrimônio histórico. Apesar disso, a resiliência de seus habitantes é evidente na gradual reconstrução e restauração dos monumentos, souks e residências que definem a identidade da cidade.

7. Sidon, Líbano

Vamos conhecer Sidon, uma das cidades mais vibrantes e historicamente significativas do antigo mundo fenício, possui uma história que se estende por milênios. Fundada em torno de 4000 a.C., esta cidade costeira do Líbano é uma testemunha silenciosa das marés da história, famosa por suas fascinantes ruínas antigas e sua rica herança fenícia.

saida 2389745 1280 1

A fundação de Sidon remonta à aurora da civilização, quando foi estabelecida como um dos principais centros urbanos da Fenícia, uma cultura conhecida por seus habilidosos marinheiros e comerciantes. Os fenícios, que dominavam o comércio marítimo no Mediterrâneo, usavam Sidon como um vital ponto de troca e de interação cultural, exportando seu renomado vidro colorido, tecidos tingidos e artesanato.

Entre as inúmeras relíquias históricas de Sidon, o Castelo do Mar é particularmente notável. Construído originalmente pelos cruzados no século XIII como uma fortificação na entrada do porto da cidade, o castelo serviu como um ponto de defesa contra invasores e como um símbolo do poderio marítimo de Sidon. Situado numa pequena ilha ligada à cidade por uma ponte construída a partir de pedras antigas, o Castelo do Mar é um ícone evocativo da longa história marítima de Sidon.

Sidon é também lar de múltiplos sítios arqueológicos fenícios, que oferecem um vislumbre da vida diária e das práticas religiosas deste povo enigmático. Escavações em Sidon revelaram necrópoles, templos e residências que datam de milhares de anos, ilustrando a riqueza e a complexidade da cultura fenícia. Estes sítios não apenas enriquecem nosso entendimento sobre os fenícios, mas também sobre as interações entre as diversas civilizações antigas do Mediterrâneo.

No presente, Sidon continua a celebrar e preservar sua herança fenícia enquanto se adapta à modernidade. A cidade não é apenas um destino turístico; é um centro de atividade econômica e cultural. Os habitantes de Sidon, orgulhosos de sua história, mantêm vivas as tradições de hospitalidade e comércio que uma vez definiram esta antiga metrópole.

8. Damasco, Síria

A capital da Síria, Damasco, não é apenas uma cidade, mas um monumento vivo à história humana. Reivindicando o título de cidade continuamente habitada mais antiga do mundo, suas raízes remontam a pelo menos 6300 a.C. Dentro dos muros de sua cidade velha, a rica tapeçaria de civilizações que passaram por lá ainda é visível, desde suas mesquitas e mercados antigos até a famosa Porta de Damasco.

damasco

As origens de Damasco são profundamente antigas, com evidências de assentamentos que datam do sexto milênio a.C. Ao longo dos séculos, Damasco foi um prêmio cobiçado por impérios devido à sua localização estratégica como um ponto de cruzamento entre o oriente e o ocidente. Fenícios, assírios, romanos, bizantinos e, posteriormente, árabes, todos deixaram sua marca nesta cidade, transformando-a em um centro cosmopolita de comércio e cultura.

O centro histórico de Damasco é encapsulado dentro de suas antigas muralhas, onde cada pedra e cada caminho conta uma história de conquista e renascimento. Entre seus tesouros arquitetônicos está a famosa Porta de Damasco, o principal ponto de entrada para a cidade velha, que tem sido um portal para comerciantes, peregrinos e conquistadores ao longo dos milênios.

A Mesquita dos Omíadas, um dos mais esplêndidos exemplos de arquitetura islâmica, é uma peça central da cidade. Construída no local de uma antiga igreja cristã, a mesquita é um símbolo do encontro religioso e cultural que caracteriza Damasco. Além disso, os souks (mercados) de Damasco, como o Souk Al-Hamidiyah, são labirintos vibrantes de atividade, onde pode-se comprar de tudo, desde especiarias e tecidos até joias e artefatos, todos entrelaçados com o aroma de café e o som de negociações.

Nos tempos modernos, Damasco enfrentou desafios significativos, incluindo conflitos que ameaçaram seu rico patrimônio. Apesar disso, esforços de preservação e restauração continuam, visando proteger e revitalizar a história e a cultura que fazem de Damasco uma cidade inigualável.

9. Plovdiv, Bulgária

Plovdiv, uma das cidades mais antigas da Europa, ostenta uma história rica e multifacetada que se estende desde a sua fundação como o assentamento trácio de Eumolpias, por volta de 4000 a.C., até o presente. Com suas colinas pitorescas e um legado cultural que atravessa milênios, Plovdiv é uma cidade que encanta tanto historiadores quanto turistas com seu anfiteatro romano impressionante e outras ruínas clássicas.

plovdiv 4623950 1280

Originalmente conhecido como Eumolpias, Plovdiv era inicialmente um assentamento fortificado trácio que mais tarde passou por influência grega antes de se tornar uma significativa cidade romana no coração da Trácia. A habilidade dos trácios em metalurgia e seu conhecimento das artes e do comércio são evidentes nas várias camadas de influências culturais encontradas nas escavações arqueológicas ao redor da cidade.

Durante o período romano, Plovdiv, então conhecida como Philippopolis, foi adornada com magníficas estruturas, incluindo teatros, estádios e aquedutos. O Anfiteatro Romano de Plovdiv, um dos principais marcos da cidade, é um testemunho da engenharia e da arquitetura romana. Construído no século II, este anfiteatro ainda hoje é utilizado para apresentações, continuando a cumprir sua função original de centro cultural e artístico.

Após a queda do Império Romano, Plovdiv caiu sob o domínio bizantino e, mais tarde, otomano, cada um deixando sua marca na arquitetura e na cultura da cidade. Igrejas bizantinas e mesquitas otomanas adicionam às camadas históricas de Plovdiv, demonstrando a coexistência de diversas tradições religiosas e culturais ao longo dos séculos.

Hoje, Plovdiv é reconhecida como uma capital cultural da Bulgária. A cidade não apenas preserva seu passado através da manutenção de suas ruínas antigas, mas também celebra a diversidade e a riqueza de sua história através de festivais, exposições de arte e eventos culturais. Em 2019, Plovdiv foi nomeada Capital Europeia da Cultura, destacando seu papel como um centro de encontro cultural entre o leste e o oeste.

10. Erzurum, Turquia

Situada nas vastas e varridas planícies do leste da Turquia, visitamos nossa última cidade da lista: Erzurum, que ressoa com os ecos de milênios. Fundada por volta de 4000 a.C., ela tem servido como um vital cruzamento de civilizações, culturas e comércio ao longo dos séculos. De urartianos a armênios e otomanos, cada grupo deixou sua marca inconfundível nesta cidade, com muitos de seus monumentos históricos ainda de pé, contando as histórias de seu passado multifacetado.

Erzurum

Os urartianos, uma das primeiras civilizações a influenciar a área de Erzurum, trouxeram consigo avanços em engenharia e arte que estabeleceram as bases para futuras ocupações. Suas fortificações e templos, embora em ruínas, oferecem um vislumbre do engenho e da espiritualidade que caracterizaram esta antiga cultura.

Durante o domínio armênio, Erzurum tornou-se um centro de atividade religiosa e artística. A cidade foi adornada com igrejas e mosteiros que ainda hoje se destacam por sua arquitetura distinta. Esses monumentos não apenas servem como lugares de adoração, mas também como cápsulas do tempo que oferecem insights sobre as práticas religiosas e a vida comunitária da época.

A influência otomana em Erzurum é talvez a mais visível entre todas. Durante o período otomano, a cidade foi fortificada com numerosas estruturas defensivas, muitas das quais ainda dominam a paisagem urbana. Além disso, Erzurum foi enriquecida com madraçais (escolas islâmicas), mesquitas e banhos turcos, refletindo a importância da cidade como um centro administrativo e militar. O notável Madraçal Çifte Minare, com seus impressionantes minaretes e intrincado trabalho em pedra, é um exemplo emblemático da arquitetura otomana na cidade.

No presente, Erzurum é uma cidade que abraça tanto sua rica história quanto seu papel na Turquia moderna. A preservação de seus monumentos históricos é uma prioridade, tanto para a educação pública quanto para o turismo. Festivais e eventos culturais são frequentemente realizados para celebrar a herança única de Erzurum, atraindo visitantes de todo o mundo interessados em descobrir o legado das civilizações que moldaram esta região.

Conclusão

Visitar estas cidades é como passear por páginas vivas da história, cada rua, cada monumento oferece uma janela para o passado. Para os amantes da história, estas cidades não são apenas destinos turísticos, são cápsulas do tempo que oferecem uma visão inestimável das civilizações que moldaram o mundo moderno.

Veja alguns textos que podem te interessar:

Civilizações antigas nas selvas brasileiras

O mistério das ruas antigas que se iluminam à noite

...